Image Map

Imagine Harry Styles | Future Teacher (Pedido/Parte 4)

em | Nenhum comentário:


Pedido por: Ana Paula

O domingo de (seu nome) passou com ela tentando convencer suas amigas à dormirem em sua casa. Talvez ela estivesse com medo do adolescente maluco que começou persegui-la, mas de nada adiantou, no início da noite ela estava sozinha, suas amigas tinham trabalho na manhã seguinte e não poderiam ficar.
Qualquer barulho, mínimo que seja, fazia a mulher ficar em alerta e com o coração na mão.
Na manhã seguinte ela estava muito cansada, a maior parte da noite ela ficou acordada e quando finalmente conseguia dormir, qualquer barulho a assustava e então era mais algum tempo até que ela conseguisse dormir novamente. Se Harry queria deixá-la com medo e a beira da loucura, ele estava no ponto certo.
Ao adentrar a sala de aula, ela apenas deixou suas coisas sobre a mesa e pegou o pincel começando a escrever no quadro o que iriam estudar durante a semana. Ela estava tão aérea que não ouviu Niall dizer ‘bom dia’ e muito menos viu o sorriso morrer em seu rosto quando foi ignorado. O loiro agora estava pensando que a mulher estava brava com alguma coisa que ele tenha feito.
Uma pessoa em especial notou o acontecido, os olhos verdes estavam atentos a tudo que acontecia com a mulher porque ela era de seu interesse, ela era dele e de ninguém mais. Harry repetia isso para si mesmo todos os dias e agora estava satisfeito que ela ignorou o tomate humano. Ele rodeava tanto aquele garoto.
A hora do intervalo não demorou a chegar e (seu nome) caminhava pelo corredor principal em direção a sala dos professores, em suas mãos estavam alguns livros de história e sua bolsa estava pendurada em seu ombro. No momento em que passava em frente a sala do zelador, seu braço foi puxado com força a obrigando entrar na pequena sala abarrotada de objetos de limpeza. Mantendo seus livros apertados contra seu peito, ela viu os olhos verdes agora escuros a encarando fixamente.
— Você ia transar com ele! Ia fazer o mesmo que fez comigo! — Harry acusou empurrando-a pelos ombros contra a parede.
— Do que você está falando? — (seu nome) se encolheu com medo, ela não poderia agredi-lo, estavam nas dependências da escola.
— Estou falando da porra daquele garoto que vive cheio de sorriso para você. Eu sei que você gosta, mas eu não permitirei que você o toque, não depois de ter me tocado! — ele vociferou não muito distante do rosto da mulher.
— Ele é meu aluno, como você também é. — ela disse ofegante por seus batimentos estarem acelerados.
— EU NÃO SOU SÓ A PORRA DE UM ALUNO! — ele gritou se virando e dando um soco no armário fazendo algumas coisas irem ao chão — NÃO ME COMPARE COM AQUELE MERDA! — Harry a segurou pelos braços à sacudindo e fazendo seus livros caírem — EU NÃO SOU SÓ A PORRA DE UM ALUNO! VOCÊ SABE QUE EU NÃO SOU! — o rosto de Harry estava vermelho e algumas de suas veias saltavam em sua testa.
Os olhos de (seu nome) estavam arregalados e cheios de lágrimas, ela estava assustada com a atitude do garoto, as mãos dele ainda apertavam fortemente seus braços até que a porta abriu o fazendo se afastar.
— Está tudo bem aqui, senhorita? — o zelador perguntou desconfiado enquanto seus olhos analisavam o estado da mulher.
Harry não gostou nada de vê-lo olhando para sua mulher, mesmo que por alguns segundos.  
— Está tudo bem, estamos conversando. — Harry se adiantou em dizer.
— Está tudo bem, senhorita? — o senhor perguntou novamente deixando claro que queria que a mulher respondesse.
— S-sim... — ela gaguejou abaixando-se rapidamente para pegar os livros do chão — Licença. — ela passou apressada ao lado do zelador enquanto ele olhava desconfiado para o garoto.
— O que está olhando?! Vá para o inferno! — o garoto chutou alguma das coisas que ele derrubou e passou pelo senhor pisando fundo.
[…]
(Seu nome) contava os minutos para sair da escola, mas ao mesmo tempo queria que eles demorassem o máximo possível para que ela não tivesse que ficar em casa sozinha. Na escola tinha pessoas para interromperem alguma coisa que pudesse acontecer como o zelador fez; a mulher nunca ficou tão agradecida em sua vida. Ela nunca pensou que o garoto pudesse ser tão agressivo, mas agora ela espera qualquer coisa daquele pequeno demônio.
O sinal anunciando o fim das aulas soou e ela recolheu suas coisas para que pudesse sair com o fluxo de alunos e não ficar por último para evitar encontrar com Harry. Andando apressadamente pelo corredor ela só prestava atenção a sua frente querendo passar logo pelo portão e ter a certeza que não o encontrou, quando estava para colocar os pés para fora, uma mão tocou seu ombro a fazendo se assustar.
— Desculpe... — o garoto sussurrou e a mulher parou ao perceber quem era.
— Tudo bem, eu só estava distraída. — ela sorriu fraco.
— Eu queria pedir desculpas por ter feito você ficar brava, eu juro que não queria, então me desculpe. — ele brincou com seus dedos enquanto falava.
— Eu não estou brava com você, doce. — falou inconscientemente o apelido — O que te faz pensar isso?
— Eu te cumprimentei quando você entrou na sala e você não me respondeu. — ele disse um pouco sem graça.
— Eu estou com alguns problemas em casa e fiquei um pouco desligada hoje mais cedo. Me desculpe por isso. — ela sorriu e segurou a mão do menino para assegurá-lo que tudo estava bem.
— Você mora na sétima avenida? — ele perguntou inocentemente fazendo a mulher ficar em alerta.  
— Como sabe sobre isso?
— Alguém na sala comentou que te viu entrando em uma casa lá. Eu moro na quarta... Será que eu poderia te acompanhar? Eu não tenho amigos ainda. — ele sorriu fraco e a mulher pensou seriamente se deveria. Olhou para os lados e não viu ninguém.
— Tudo bem... Vamos a pé, não é tão longe.
(Seu nome) e Niall caminharam devagar na direção que os levava a suas respectivas casas, enquanto conversavam sobre a história da Inglaterra. A mulher estava encantada com o quanto o garoto sabia sobre o assunto.
No meio do trajeto, a conversa dos dois foi interrompida por gritos pelo nome de (seu nome), ela conhecia aquela voz grave e sabia de quem se tratava, então segurou o pulso de Niall para que ele apressasse seus passos junto com ela na tentativa de não ser alcançada, mas falhou miseravelmente quando Harry a puxou pelo cabelo.
— ONDE VOCÊ PENSA QUE VAI COM ESSE VERME, VADIA?! ESTÁ O LEVANDO PARA FODER VOCÊ, CACHORRA?! — algumas pessoas que passavam encararam a cena curiosos e assustados pelo palavreado.
— Solta ela, Harry! — Niall tentou empurrar o garoto um pouco mais alto e acabou caindo no chão ao levar uma braçada.
— CALA A BOCA, ESTÚPIDO! VOCÊ SÓ FAZ ESSA CARA DE MERDA PARA PEGAR A MULHER DOS OUTROS. EU VOU MATAR VOCÊ! — Harry estava indo em direção ao garoto, mas (seu nome) se colocou na frente dele.
— Isso é entre mim e você, Edward. Por favor, pare. — a mulher implorou incomodada com os olhares curiosos das pessoas ao redor.
— EU ATÉ FARIA O QUE ESTÁ ME PEDINDO, MAS VOCÊ É UMA VADIA IMUNDA QUE ESTAVA O LEVANDO PARA SUA CASA!
— Pare de gritar, por favor. — tentou novamente.
— Vamos professora... — Niall que já havia se levantado do chão, puxou de leve o braço da professora para que ela deixasse o garoto gritando sozinho no meio da rua.
Os dois começaram a andar na mesma direção de antes.
— VOCÊ VAI ME IGNORAR?! VAI FICAR COM ESSE BOSTA?! — Harry foi prontamente ignorado e isso o deixou ainda mais nervoso.
Harry olhou de um lado para o outro em busca de alguma coisa e seus olhos cerraram ao ver um pedaço grande de madeira no chão. Sem pensar, ele pegou a madeira e correu em direção aos dois e acertou a cabeça de Niall fortemente com o objeto em sua mão.
Antes de fugir, ele pode ver (seu nome) se ajoelhar ao lado do garoto e muito sangue  tingir os fios aloirados logo escorrendo pelo chão.


Desculpem qualquer coisa... Estou postando pelo celular.

Visitem:






Imagine Harry Styles | Future Teacher (Pedido/Parte 3)

em | Nenhum comentário:


Pedido por: Ana Paula


O dia amanheceu maravilhoso, (seu nome) podia ver os fracos raios de sol saírem de trás de uma nuvem indicando que o dia seria um pouco ensolarado. Apesar da situação estressante que teve em seu primeiro dia na escola, ela acordou de bom humor pronta para o novo dia, esperava que tudo se saísse bem como não aconteceu no dia anterior.
Com a janela de seu carro aberto, ela respirava o ar puro e gostoso de Holmes Chapel, por ser de manhã e uma cidade pequena comparada a que morava, para (seu nome), ela nunca havia respirado ar tão puro como esse.
A sensação de paz acabou assim que estagiou o carro no local reservado aos professores atras da escola. Pegando sua bolsa e saindo do carro o travando em seguida, pôde ver a figura mentirosa de dezesseis anos possivelmente a esperando. Nem um pouco a fim de encontrar com o garoto e correr o risco de bater na cara dele, ela contornou a escola pelo outro lado em passos largos para não ser alcançada se ele tentasse correr atrás dela.
Depois de evitar o estressante encontro, (seu nome) se apresentou a mais uma turma onde daria suas aulas e tudo correu bem, os meninos eram um pouco saidinhos, mas nada demais ou desrespeitoso. Era apenas sintomas da puberdade.
Depois do intervalo (seu nome) só teria uma aula no último horário e então estaria livre para ir para casa, assim como os alunos. Agora ela esperava dentro da sala dos professores, onde só ela se encontra, saboreando um café enquanto seus olhos estão fixos na televisão onde passa o jornal local.
Batidas na porta chamaram sua atenção e abandonando sua xícara, ela caminhou até a madeira escura a abrindo e dando de cara com o fofo aluno, Niall Horan.
– Em que posso ajudá-lo, Niall? – um sorriso genuíno apareceu em seus lábios enquanto olhava o garoto. Ele apenas lhe estendeu a mão e a entregou um bilhete.
(Seu nome) sorriu ainda mais pensando no quão fofo o garoto é na aparência e o quão mais ele seria se estivesse a entregando uma cartinha de admiração ou até por preocupação pelo seu mal estar do dia anterior, mas seu sorriso morreu ao desdobrar o papel e ler aquelas palavras escritas a mão em grandes letras de forma.
Transe comigo, vadia!
(Seu nome) sentiu-se tonta por alguns segundos, mas logo engoliu em o bolo que se formou em sua garganta puxando o garoto para dentro da sala, fechando a porta em seguida.
– Você que escreveu isso, Niall? O que você tem a me dizer sobre esse bilhete estúpido? – os olhos do garoto se arregalaram diante do tom severo da professora e ele apenas negou rapidamente – Você ao menos sabe o que está escrito nesse papel? – ela balançou o papel em frente ao rosto do garoto e ele mais uma vez negou.
Respirando fundo para se acalmar, (seu nome) deu alguns passos pela sala enquanto o garoto continuava estático. Ela sabia que ele não seria capaz disso e nem teria motivos, e sabia também quem era o dono daquela frase imunda.
– Por favor, Niall, não seja tão ingênuo entregando bilhetes sem nem ao menos saber o que está escrito. A pessoa que mandou você me entregar isso queria te colocar em maus lençóis.
– Desculpa... – o garoto disse com a voz chorosa.
– Tudo bem, querido... Eu sei que não queria fazer isso. – ela afagou os fios macios do cabelo do garoto e logo batidas na porta chamaram sua atenção.
(Seu nome) caminhou mais uma vez em direção a porta, mas antes que pudesse abri-la, a pessoa que batia foi mais rápida e ela pode ver o diretor olhar a sala desconfiado.
– Está tudo bem? Um dos alunos disse que viu uma movimentação estranha por aqui. – o diretor ainda da porta varria a sala com os olhos.
– Está tudo ótimo senhor Grimshaw, o aluno, Niall Horan – apontou para o mesmo no meio da sala – Veio tirar algumas dúvidas que acreditou não poder esperar até próxima aula. Me desculpe se fiz mal, eu pedi para que os alunos me procurarem caso tivessem alguma dúvida com a matéria.
– Não há mal nenhum, apenas vim checar porque um dos alunos me procurou e disse que eu deveria vir aqui. Desculpe se atrapalhei. – o homem sorriu simpático.
– Não, já esclareci o que ele precisava saber. 
– Vamos rapaz? Você está em horário de aula pelo que me consta. 
Niall caminhou inseguro em direção a porta e depois de lançar um olhar pesaroso para a professora, ele saiu da sala caminhando pelo corredor tendo o diretor logo atrás. Olhando os dois sumirem de sua visão, (seu nome) pode ver Edward escondido atrás de um dos armários e soube que ele está se dedicando para tornar sua vida um inferno dentro daquela escola.

[...]

Um dia depois que recebeu o maldito bilhete, Niall não compareceu a escola deixando (seu nome) preocupada durante todo o dia pensando nas possíveis causas de sua ausência, o que ela mais temia era que Edward tivesse feito algo com o garoto, mas sua preocupação passou quando Niall apareceu no dia seguinte.
Quem havia sumido foi Harry, ou Edward, durante todo o resto de semana ele não pisou na escola e para (seu nome) esses dias não poderiam ser os mais radiantes e sossegados desde que pisou naquele lugar. Suas aulas aconteceram sem nenhum tipo de problema e ela andou pelos corredores a vontade sem temer encontrar com o ser de olhos verdes.
Agora, sábado a noite, ela resolveu tirar o dia inteiro e noite para si negando o convite de suas amigas para voltar no mesmo lugar onde cometeu o maior erro de sua vida. Depois de desligar a televisão e caminhar até o interruptor responsável pela iluminação da sala e apertá-lo, um barulho alto de vidro quebrando a fez gritar e acender a luz novamente.
Havia um buraco em sua janela de vidro e ao vasculhar o cômodo pode ver uma pedra embrulhada por algo no canto da sala. Caminhando devagar e com certo medo, ela pegou a pedra e tirou o papel que a embrulharam para ler a palavra vadia escrito com a mesma letra do bilhete que recebeu de Niall na sala dos professores.
Com o coração acelerado e sensação de pânico crescendo em seu peito, ela se perguntava até onde aquele pequeno demônio de olhos verdes levaria aquela história, o medo cresceu ainda mais ao perceber que ele sabe onde é sua casa.


Depois de UM ano, Future Teacher teve uma parte 3


Visitem: