14 de fevereiro de 2017

Imagine Harry Styles | Future Teacher (Pedido/Parte 4)


Pedido por: Ana Paula

O domingo de (seu nome) passou com ela tentando convencer suas amigas à dormirem em sua casa. Talvez ela estivesse com medo do adolescente maluco que começou persegui-la, mas de nada adiantou, no início da noite ela estava sozinha, suas amigas tinham trabalho na manhã seguinte e não poderiam ficar.
Qualquer barulho, mínimo que seja, fazia a mulher ficar em alerta e com o coração na mão.
Na manhã seguinte ela estava muito cansada, a maior parte da noite ela ficou acordada e quando finalmente conseguia dormir, qualquer barulho a assustava e então era mais algum tempo até que ela conseguisse dormir novamente. Se Harry queria deixá-la com medo e a beira da loucura, ele estava no ponto certo.
Ao adentrar a sala de aula, ela apenas deixou suas coisas sobre a mesa e pegou o pincel começando a escrever no quadro o que iriam estudar durante a semana. Ela estava tão aérea que não ouviu Niall dizer ‘bom dia’ e muito menos viu o sorriso morrer em seu rosto quando foi ignorado. O loiro agora estava pensando que a mulher estava brava com alguma coisa que ele tenha feito.
Uma pessoa em especial notou o acontecido, os olhos verdes estavam atentos a tudo que acontecia com a mulher porque ela era de seu interesse, ela era dele e de ninguém mais. Harry repetia isso para si mesmo todos os dias e agora estava satisfeito que ela ignorou o tomate humano. Ele rodeava tanto aquele garoto.
A hora do intervalo não demorou a chegar e (seu nome) caminhava pelo corredor principal em direção a sala dos professores, em suas mãos estavam alguns livros de história e sua bolsa estava pendurada em seu ombro. No momento em que passava em frente a sala do zelador, seu braço foi puxado com força a obrigando entrar na pequena sala abarrotada de objetos de limpeza. Mantendo seus livros apertados contra seu peito, ela viu os olhos verdes agora escuros a encarando fixamente.
— Você ia transar com ele! Ia fazer o mesmo que fez comigo! — Harry acusou empurrando-a pelos ombros contra a parede.
— Do que você está falando? — (seu nome) se encolheu com medo, ela não poderia agredi-lo, estavam nas dependências da escola.
— Estou falando da porra daquele garoto que vive cheio de sorriso para você. Eu sei que você gosta, mas eu não permitirei que você o toque, não depois de ter me tocado! — ele vociferou não muito distante do rosto da mulher.
— Ele é meu aluno, como você também é. — ela disse ofegante por seus batimentos estarem acelerados.
— EU NÃO SOU SÓ A PORRA DE UM ALUNO! — ele gritou se virando e dando um soco no armário fazendo algumas coisas irem ao chão — NÃO ME COMPARE COM AQUELE MERDA! — Harry a segurou pelos braços à sacudindo e fazendo seus livros caírem — EU NÃO SOU SÓ A PORRA DE UM ALUNO! VOCÊ SABE QUE EU NÃO SOU! — o rosto de Harry estava vermelho e algumas de suas veias saltavam em sua testa.
Os olhos de (seu nome) estavam arregalados e cheios de lágrimas, ela estava assustada com a atitude do garoto, as mãos dele ainda apertavam fortemente seus braços até que a porta abriu o fazendo se afastar.
— Está tudo bem aqui, senhorita? — o zelador perguntou desconfiado enquanto seus olhos analisavam o estado da mulher.
Harry não gostou nada de vê-lo olhando para sua mulher, mesmo que por alguns segundos.  
— Está tudo bem, estamos conversando. — Harry se adiantou em dizer.
— Está tudo bem, senhorita? — o senhor perguntou novamente deixando claro que queria que a mulher respondesse.
— S-sim... — ela gaguejou abaixando-se rapidamente para pegar os livros do chão — Licença. — ela passou apressada ao lado do zelador enquanto ele olhava desconfiado para o garoto.
— O que está olhando?! Vá para o inferno! — o garoto chutou alguma das coisas que ele derrubou e passou pelo senhor pisando fundo.
[…]
(Seu nome) contava os minutos para sair da escola, mas ao mesmo tempo queria que eles demorassem o máximo possível para que ela não tivesse que ficar em casa sozinha. Na escola tinha pessoas para interromperem alguma coisa que pudesse acontecer como o zelador fez; a mulher nunca ficou tão agradecida em sua vida. Ela nunca pensou que o garoto pudesse ser tão agressivo, mas agora ela espera qualquer coisa daquele pequeno demônio.
O sinal anunciando o fim das aulas soou e ela recolheu suas coisas para que pudesse sair com o fluxo de alunos e não ficar por último para evitar encontrar com Harry. Andando apressadamente pelo corredor ela só prestava atenção a sua frente querendo passar logo pelo portão e ter a certeza que não o encontrou, quando estava para colocar os pés para fora, uma mão tocou seu ombro a fazendo se assustar.
— Desculpe... — o garoto sussurrou e a mulher parou ao perceber quem era.
— Tudo bem, eu só estava distraída. — ela sorriu fraco.
— Eu queria pedir desculpas por ter feito você ficar brava, eu juro que não queria, então me desculpe. — ele brincou com seus dedos enquanto falava.
— Eu não estou brava com você, doce. — falou inconscientemente o apelido — O que te faz pensar isso?
— Eu te cumprimentei quando você entrou na sala e você não me respondeu. — ele disse um pouco sem graça.
— Eu estou com alguns problemas em casa e fiquei um pouco desligada hoje mais cedo. Me desculpe por isso. — ela sorriu e segurou a mão do menino para assegurá-lo que tudo estava bem.
— Você mora na sétima avenida? — ele perguntou inocentemente fazendo a mulher ficar em alerta.  
— Como sabe sobre isso?
— Alguém na sala comentou que te viu entrando em uma casa lá. Eu moro na quarta... Será que eu poderia te acompanhar? Eu não tenho amigos ainda. — ele sorriu fraco e a mulher pensou seriamente se deveria. Olhou para os lados e não viu ninguém.
— Tudo bem... Vamos a pé, não é tão longe.
(Seu nome) e Niall caminharam devagar na direção que os levava a suas respectivas casas, enquanto conversavam sobre a história da Inglaterra. A mulher estava encantada com o quanto o garoto sabia sobre o assunto.
No meio do trajeto, a conversa dos dois foi interrompida por gritos pelo nome de (seu nome), ela conhecia aquela voz grave e sabia de quem se tratava, então segurou o pulso de Niall para que ele apressasse seus passos junto com ela na tentativa de não ser alcançada, mas falhou miseravelmente quando Harry a puxou pelo cabelo.
— ONDE VOCÊ PENSA QUE VAI COM ESSE VERME, VADIA?! ESTÁ O LEVANDO PARA FODER VOCÊ, CACHORRA?! — algumas pessoas que passavam encararam a cena curiosos e assustados pelo palavreado.
— Solta ela, Harry! — Niall tentou empurrar o garoto um pouco mais alto e acabou caindo no chão ao levar uma braçada.
— CALA A BOCA, ESTÚPIDO! VOCÊ SÓ FAZ ESSA CARA DE MERDA PARA PEGAR A MULHER DOS OUTROS. EU VOU MATAR VOCÊ! — Harry estava indo em direção ao garoto, mas (seu nome) se colocou na frente dele.
— Isso é entre mim e você, Edward. Por favor, pare. — a mulher implorou incomodada com os olhares curiosos das pessoas ao redor.
— EU ATÉ FARIA O QUE ESTÁ ME PEDINDO, MAS VOCÊ É UMA VADIA IMUNDA QUE ESTAVA O LEVANDO PARA SUA CASA!
— Pare de gritar, por favor. — tentou novamente.
— Vamos professora... — Niall que já havia se levantado do chão, puxou de leve o braço da professora para que ela deixasse o garoto gritando sozinho no meio da rua.
Os dois começaram a andar na mesma direção de antes.
— VOCÊ VAI ME IGNORAR?! VAI FICAR COM ESSE BOSTA?! — Harry foi prontamente ignorado e isso o deixou ainda mais nervoso.
Harry olhou de um lado para o outro em busca de alguma coisa e seus olhos cerraram ao ver um pedaço grande de madeira no chão. Sem pensar, ele pegou a madeira e correu em direção aos dois e acertou a cabeça de Niall fortemente com o objeto em sua mão.
Antes de fugir, ele pode ver (seu nome) se ajoelhar ao lado do garoto e muito sangue  tingir os fios aloirados logo escorrendo pelo chão.


Desculpem qualquer coisa... Estou postando pelo celular.

Visitem:






Nenhum comentário:

Postar um comentário

Hey! Obrigada por comentar! ♥
— Por favor, se comentar em anônimo deixe seu nome, apelido ou o que preferir no final do comentário como assinatura.
— Não use xingamentos e não desrespeite qualquer membro deste blog, desde leitores á autores.
— Comentários maldosos serão apagados.
— Críticas construtivas são bem aceitas.
— Cada um tem sua opinião, então respeite.
— Não esqueça que seu comentário nos anima a postar cada vez mais.