Image Map

Imagine Harry Styles | Only Your (Pedido/Hot)

em 28 de julho de 2016 | 2 comentários:


Pedido Por: Marília Styles Rodrigues e Luana Viera Dias  
Como os pedidos eram parecidos e com o Harold, eu resolvi mesclá-los.
Desculpem a demora, amores
Quando tiverem um tempinho visitem o Wonderland Fanfics :)

Styles estava encostado no corrimão no topo da escadaria de onde podia enxergar todo o grande salão de festa e principalmente sua mulher na presença de outro homem, somente esse fato fez seu sangue ferver quando pôs seus olhos nos dois. ele bebeu o uísque que restava em seu copo em um só gole a tempo de vê-la rir e apoiar sua mão no braço do homem em um ato intimo.
Ela nunca tinha desobedecido, a regra principal para o bem dela é apenas: não conversar com nenhum homem quando ele não estiver presente. E como se desafiasse a sorte, ela fica se esfregando em outro homem na frente da única pessoa ao qual ela deve se esfregar.
Styles travou seu maxilar ao que a mulher enlaçou seu braço ao do homem e os dois caminharam para fora do salão, essa foi à gota d'água, até o final da noite ela seria devidamente punida.
Descendo a escadaria apressado, Harry seguiu os dois em uma distância a qual não podia ser notado e assim que os dois pararam, ele também parou observando apenas para ter certeza do que aconteceria se ele não estivesse ali.
O homem colocou uma mão no rosto da mulher e quando seus lábios estavam para se encostarem eles pularam de susto ao ouvir um barulho alto de vidro quebrar no chão e quando a mulher viu quem havia quebrado o copo, travou. Em passos lentos Harry caminhou até os dois agora separados que o encaravam, o homem ao lado da mulher não sabia ao certo de quem se tratava, mas fazia ideia já que ele sabia que estava com uma mulher comprometida.
A cada passo dado por Styles, seu punho cerra cada vez mais, ele não deixaria essa tentativa de traição impune, ele puniria do seu modo, mas ele não iria deixar passar. Assim que ficou frente a frente com o homem que achou que poderia ter sua mulher, ele desferiu um soco em seu olho esquerdo com toda a força que ele tinha fazendo o homem se desequilibrar e cair.
Assustada (seu nome) deixou um grito fino e estridente sair de sua boca a tapando com a mão. Antes que ela pudesse fazer algo a respeito, já estava sendo puxada para a saída tendo a grande e forte mão de Harry em torno de seu braço. O que ela pôde fazer foi olhar para trás para ver o homem caído no chão até que foi jogada dentro do carro.
O caminho até a casa de Harry foi em silêncio, na verdade a casa era dos dois, mas (seu nome) a considerava de Harry quando ela nunca teve a intensão de morar lá. A verdade é que ela é vitima do amor doentio dele, ele se apaixonou por ela e com isso acha que é seu dono e pode comandar todos seus passos.
(seu nome) só conseguia pensar em como Logan estava, queria saber se alguém o encontrou ou se ele foi atrás de gelo para o seu olho, ela se preocupa com ele, se preocupa porque gosta dele, gosta como gostou de Harry um dia, mas ele fez o favor de acabar com qualquer migalha de sentimento que ela nutria por ele. Há muito tempo eles não eram um casal comum, só eram considerados um casal porque Harry a ameaça constantemente a ficar com ele, caso contrário (seu nome) estaria nos braços de Logan.
O carro parou e (seu nome) só se deu conta quando Harry a puxou para fora sem um pingo de delicadeza, a arrastando para dentro ainda em silêncio e ela sabe que quando há muito silêncio algo está se passando pela mente doente do cacheado. Ela quase não conseguiu acompanhar os passos do homem na escadaria, ele suba os degraus de dois em dois dificultando para ela que está de salto.
Ao adentrarem o quarto, Harry rasgou em dois o tecido do vestido de sua mulher, ela se assustou mas nada que não já tenha acontecido antes. O que sobrou do vestido foi ao chão sendo acompanhado pela lingerie que ele a presenteou e obrigou a usar naquela noite, ele ama escolher o que ela vai ou não usar.
O corpo da garota foi empurrado com brutalidade na cama e ela sabia a posição que deveria ficar, o barulho da fivela do cinto sendo tirado soou aos ouvidos dela a fazendo apertar os olhos esperando os golpes contra suas nádegas.
— Você achou mesmo que eu não iria saber?   a voz rouca ecoou pelo quarto e logo o som do coro do cinto encontrando a pele da garota em um grande golpe que a fez gritar  Acha que eu sou burro? Acha que ele é melhor do que eu? Você se acha uma vadia inteligente?  ao final de cada pergunta ele a batia com toda sua força.
(seu nome) sabe que as perguntas não precisam de respostas, ele não queria as respostas, o que o interessava era somente descontar a sua raiva, então em vez de responder ela tentava apenas controlar seus gritos de dor porque sabe que ele se irrita ainda mas com eles.
Harry podia sentir seus olhos queimarem de ódio, suas pupilas estavam dilatadas e suas íris verdes mais escuras. Todo o percurso da festa até sua casa ele criava em sua cabeça cenas do homem tocando a sua mulher como só ele pode tocar, o homem fazendo cosas com ela que só ele pode fazer e a sua raiva que já estava em um nível alto, triplicou.
— Quantas vezes eu tenho que dizer que você é minha e de mais ninguém?  ele desferiu mais um golpe com o cinto na nádega da mulher que se encontrava com vários vergões grosso causados pelo cinto  Você é minha! Apenas eu posso fazer o que quiser com você, vadia.
Styles puxou a mulher pelos cabelos a obrigando olhá-lo enquanto ele dizia com toda certeza ter posse dela, com lágrimas descendo pelo rosto (seu nome) apenas afirma com a cabeça sentindo cada vez mais a mão do homem se apertar em seu cabelo.
— Eu quero que você me toque. quero que me chupe como só você sabe fazer.
O cinto foi ao chão enquanto com uma mão Harry abaixa sua calça e cueca deixando ambos em seus joelhos, seu membro amostra está bem em frente ao rosto de (seu nome) que logo o seguro pela base começando a estimulá-lo.
Assim que sente o desejo pela boca quente e molhada da mulher em volta do seu membro, sem aviso algum Harry empurra a cabeça de (seu nome) até ele obrigando-a chupá-lo enquanto controla o movimento de sua cabeça com a mão que agarra seus cabelos. É assim por alguns minutos até que ele sente que está perto de gozar e puxa o cabelo da mulher para trás tirando a boca dela de seu membro em um estalo.
As lágrimas no rosto de (seu nome) já haviam secado, ela se acostumou com a ardência em sua bunda e agora só queria que o Harry terminasse com sua punição doentia, ela não pode dizer que não gosta de estar com ele, a verdade é que ela odeia o modo dele agir. Quando está somente os dois, ele a trata como um namorado trata uma namorada, com carinho e amor, mas a partir do momento em que mais algum homem está em um raio de dez metros de distância da mulher, ele se mostra totalmente diferente.
Por anos ela aguentou suas crises de ciúmes por causa de seus amigos, vizinhos, primos, carteiros, entregadores de pizza, primos, atores na televisão e até de seu irmão; tudo parece ser uma uma ameaça para Harry e ele começou a descontar seus ciúmes e raiva nela por meio de "punições".
Quando ela se viu cansada de tudo isso tentou se livrar da relação, o que resultou em uma grande marca de dedos em seu rosto e o lábio cortado.
Logan apareceu na sua vida quando Harry relutantemente a deixou ir visitar sua mãe, ele havia se mudado para a casa ao lado e era um excelente vizinho segundo sua mãe, em apenas um dias eles se beijaram, (seu nome) estava frágil por ter brigado mais uma vez com o cacheado e ela precisava de carinho como uma criança precisa de sua mãe. Ela se arrependia de tê-lo deixado participar desse tsunami que é a sua vida, Harry é doente por ela e apenas ela precisa sobre as consequências de ter se envolvido com ele.
— Eu vou gozar na sua cara porque você é a minha vadia.
Styles continuou a segurá-la pelos cabelos deixando seu membro de frente ao rosto da mulher enquanto com a mão vaga masturba seu membro rapidamente. Não precisou de muito até que o liquido esbranquiçado estivesse por todo o rosto de (seu nome) proporcionando a Harry a visão que ele tanto gosta.
— A quem você pertence?  a voz rouca ecoou e a mulher foi obrigada a olhar os olhos do dono dela.
— Eu pertenço à você... Somente à  ela sussurrou fazendo o homem sorrir orgulhoso e selar seus lábios.
— Vamos tomar banho, amor.
E mas uma vez ele agiria como se nada tivesse acontecido.


Mais um pedido entregue e eu sinceramente espero que gostem :) Até mais <3


Imagine Niall Horan | Angel Of Death (Pedido)

em 21 de julho de 2016 | Nenhum comentário:


Pedido Por: Yasmim
Desculpe a demora, Angel.

O imagine fala sobre abuso e automutilação, não de uma forma explicita, mas fala. Se não se sente bem com isso, por favor, não leia.

A vida pode não ser fácil para ninguém, mas ela é pior para (seu nome). Aos doze anos perdeu a mãe que morreu ao cair da escada de sua casa, todos pensam que foi um acidente, mas (seu nome) sabe que não, ela sabe exatamente o que aconteceu.
Desde a morte da mãe sua vida só piorou, já não era um mar de rosas, virou um mar de sangue. Os cortes em seus braços eram frequentes e antes mesmo de cicatrizarem outros já ocupavam os lugares vagos em sua pele. Todos eles por um único motivo, um único causador.
Respirar já não era mais tão fácil, ela apenas queria fechar os olhos e nunca acordar, essa seria uma ótima solução quando não se tem coragem suficiente de tirar a própria vida.
Ao pensar em tudo que já passou seu peito se aperta, aperta tanto que sente até falta de ar, todas as lembranças estão frescas em sua mente. Lembranças de sua mãe apanhando de seu padrasto, ele a jogando do alto da escada e dos abusos constante que sofre desde um pouco antes de sua mãe morrer.
Seu padrasto é um demônio, ele não tem coração e nunca teve. Ela o odeia com todas as suas forças, mas mesmo assim nunca teve coragem de enfrentá-lo, o medo de tudo se tonar ainda pior a assombra diariamente.
A vida não fazia mais sentido até que ele apareceu, seu anjo da guarda demorou, mas ele chegou. (Seu nome) não se sentia mais sozinha desde que no quarto escuro viu a silhueta em frente à janela aberta com as cortinas dançantes pelo vento, mesmo no escuro ela sabia que ele a olhava, mas em um piscar de olhos ele sumiu.
Dias se passaram e ela achava que nunca mais o veria, mesmo que algumas noites acordava com a impressão de ter alguém no quarto, ela não o via. Então em uma noite chuvosa ele apareceu, a luz estava acesa quando ele se fez presente em frente à janela com suas assas negras apertas.
Os olhos curiosos de (seu nome) analisavam minuciosamente qualquer detalhe no garoto loiro, ela se lembra perfeitamente de sua mãe dizendo que anjos eram lindos com grande asas brancas. Talvez os anjos da guarda reluzam o estado de espirito do protegido e preto seria perfeito para o da garota.
— Você não precisa ter medo... Eu estou com você. — o anjo disse depois dos dois ficarem se olhando durante um tempo — Você pode fazer tudo o que tem em mente, eu irei ajudá-la.
E então ele despareceu como em um passe de mágica a fazendo pensar que estivesse sonhando, mas ela tem a certeza que ele falou mesmo com ela.
Mas alguns dias se passaram sem que ele aparecesse novamente, (seu nome) tinha mais cortes em seus braços causados por mais abusos do monstro que reside em sua casa. Agora que sabe que alguém está com ela, a garota reza para o anjo todas as noites em busca de conforto.
— Você precisa matá-lo... Faça isso e eu te ajudo a encontrar a paz que você tanto procura.
Ara mesma voz da noite em que pode ver a face perfeita de seu anjo e seus olhos azuis intrigantes.
Anjos são doces e protetores, ela nunca ouviu falar em um anjo que cuida do protegido o mandando matar uma pessoa, mas talvez seu padrasto fosse um monstro até para os residentes do céu.
(Seu nome) queria seguir o que foi dito, ela já havia pensado em acabar com a vida do lixo que acabou com a vida dela, mas falta coragem, ela não sabe o que fazer. Mais uma vez ela se encontrava de joelhos ao lado da cama rezando para o seu anjo da guarda.
A resposta para suas preces de como faria aquilo veio antes que fechasse os olhos e caíssem na inconsciência do sono.
— Pegue uma faca na cozinha, a maior que tiver... A esconda debaixo do travesseiro.
E para agradar seu amado anjo da guarda, no dia seguinte a garota já havia cumprido o que foi mandado. Ela olhou faca por faca seguindo a recomendação de pegar a maior que encontrou e ela era também a mais afiada.
Depois de colocar a faca debaixo de seu travesseiro, (seu nome) dobrou novamente seus joelhos no chão rezando para o anjo. Ela sabia que ele estava ali, sempre que rezava um arrepio percorrer toda a sua espinha.
— Espere até que ele venha... Quando ele estiver prestes a usá-la novamente, enfie a faca em seu pescoço puxando-a de volta, caso contrário ele terá alguma chance de sobrevivência.
(Seu nome) foi dormir repassando o que seu anjo disse em sua cabeça para não esquecer nenhum mínimo detalhe, nada poderia dar errado, ela se odiaria ainda mais se decepcionasse o loiro de olhos azuis.
Nos três dias que passaram depois da última orientação de seu anjo, o monstro não apareceu em casa e isso deixou (seu nome) ainda mais nervosa. Parecia que ele desconfiava de algo e se isso acontecesse à garota não sabe o que ele faria com ela.
Mas um dia se passou até que (seu nome) ouvisse barulhos no andar de baixo de sua casa, seu padrasto estava ali, mais bêbado do que nunca.
Seu coração disparou, batia tão forte que ela era capaz de ouvir as batidas. A voz de seu anjo ecoava em sua cabeça a dizendo para não ter medo e não fraquejar, ele dizia estar ali com ela.
Não demorou muito para que a porta fosse aberta abruptamente fazendo o imundo quase cair no chão do quarto se não tivesse se segurado na maçaneta. (Seu nome) que estava na cama encarando o teto concentrada na voz em sua mente, não se deu o trabalho de se virar para encarar o monstro caminhando em sua direção.
O sorriso no rosto do bêbado daria náuseas a qualquer um que o olhasse, ele sentia prazer em abusar da garota olhando em seus olhos vendo suas lágrimas escorrerem por seu rosto. Imundo é a palavra que o descreve perfeitamente.
(Seu nome) mal piscava esperando o momento certo de agir, ela não sentia mais medo porque ela sabe que em algum lugar daquele quarto os olhos azuis estão fixos nela, ele estaria com ela para sempre e sempre.
O colchão afundou no lado em que o homem subiu, ele passou sua perna por cima cintura da garota sentando-se sobre ela que concentrada não se mexeu. O homem se inclinou apoiando uma mão em cada lado da cabeça da garota pronto para beijá-la, mas antes que isso pudesse acontecer em um movimento rápido ela levou sua mão para debaixo do travesseiro tirando de lá a faca e a enfiando em seu pescoço.
(Seu nome) sorriu quando tirou a faca e o sangue do lixo começou a jorrar enquanto ele tentava inutilmente gritar colocando a mão no local que sangrava. Ela se sentia satisfeita e assim que jogou o homem no chão pode ver próximo a janela seu anjo sorrindo, ele a estendeu a mão e sem ao menos hesitar ela levantou-se segurando a macia mão do loiro que a guiou para fora de casa.
— Você fez um ótimo trabalho...
O anjo disse enquanto caminhavam para um lugar que a garota desconhece. Ela apenas sorriu para ele o olhando admirada por tamanha beleza.
— Agora precisamos ficar juntos para sempre... Você precisa se entregar a mim.
— Eu me entreguei a você desde o primeiro segundo que te vi em minha janela.
(Seu nome) respondeu convicta, ela não tinha dúvida nenhuma de que sua vida era do dono dos olhos azuis, tudo que ele mandasse ela faria.
Ele sorriu e a abraçou de modo que seu rosto se escondesse em seu peito, (seu nome) se sentiu confortável nos braços do anjo, pela primeira vez ela se sentiu em paz.
Assim que o abraço foi cortado à garota sentiu um vento forte assoprar os fios soltos de seu cabelo e olhando em volta ela percebeu que não estavam no lugar de antes, agora os dois se encontravam sobre um grande penhasco que com um passo ela cairia no escuro infinito a sua frente.
— Você precisa ir para que possamos ficar juntos... Você precisa ir!
(Seu nome) assentiu sem tirar seus olhos dos azuis maravilhosos, ficando de costas na ponta do penhasco ela passou sua mão pela pele macia e alva do rosto de seu anjo tocando os lábios dele com os seus em um selinho demorado. Assim que se separou dele, ela se impulsionou para trás deixando seu corpo cair em queda livre.
Escuridão foi tudo o que veio a seguir, nada do que a garota esperava aconteceu.
Ela e seu anjo não ficaram juntos para sempre e sempre, sua alma foi entre para ele.
Seu anjo da morte.


Eu não sou muito boa com imagine dark, mas eu tentei :)
Espero que tenham  gostado, principalmente a Yasmim se ela ainda estiver por aqui.
All The Love

Imagine Liam Payne | A Cura Lésbica (Pedido/Parte 4)

em 14 de julho de 2016 | 8 comentários:



Parte IParte II | Parte III

Pedido por: Jessica Moura

Não houve nada que o Liam pudesse fazer para se livrar da “segunda fase" da aposta, ele tentou até deixar o dinheiro que já era dele para o David, mas os irmãos discordaram o deixando sem escolha a não ser cumprir. O que o impede de jogar tudo para o alto e mandar seus amigos idiotas à merda é seu passado, quando mais novo ele não teve muitos amigos e até sofreu bullying, não queria e nem poderia arriscar anos esforçados para finalmente ter amigos.
Mesmo depois de anos, ele ainda é inseguro e não quer passar por tudo outra vez.
Uma semana se passou e (seu nome) ocupava quase 99% de sua mente, ele não sabia como agir quando ela chegava até ele em algum canto da escola e o dava um selinho tentando ser discreta e não chamar a atenção das outras pessoas. Liam não queria quebrar ainda mais o coração de (seu nome) transando com ela por uma aposta, tudo bem que o que ele já fez até agora não foi certo, mas sexo é algo mais íntimo.
Se sentindo sem saída, o que Liam fez foi arquitetar onde, como e quando ele cumpriria a segunda fase da aposta estúpida. 
O local mais indicado para ele foi seu quarto, ele se sentiria ainda mais sujo se a levasse em um motel. Ele pensa que tratá-la com todo o carinho que puder e ser o mais breve possível não irá criar sentimentos ainda mais fortes em (seu nome). O momento perfeito para tudo acontecer seria no final de semana, seus pais estarão visitando seus avós e como sempre ele não vai e terá a casa livre.
✧✦✧
(Seu nome) não podia estar mais alegre, até cantando pelos cantos ela estava. As únicas coisas que estão ruins em sua vida são as contas ainda acumuladas e a Brianna que nem a olha, mas quando ela está com o Liam não tem tempo para pensar nessas coisas. Ele estava sendo de grande ajuda, a mantinha livre dos problemas diários e a fazia sorrir mesmo não querendo. 
Ela esta vivendo o seu sonho adolescente e Liam é seu príncipe encantado, porém nessa história, o príncipe vira sapo.
✧✦✧
Sábado à tarde (seu nome) estava fazendo tudo que não se preocupava muito em fazer, pintar as unhas, escolher cautelosamente uma roupa e até mesmo procurar um batom que não usava há muito tempo. Tudo estava perfeito para a garota, o dia estava maravilhoso e ela esperava ansiosamente pela noite. Liam disse que estaria em frente a sua porta as 19 h e ela não queria se atrasar um segundo se quer.
Exatamente na hora marcada uma buzina soou do lado de fora da casa da garota, curiosa ela saiu para vê quem era porque ela nem ao menos sabia que Liam tinha um carro. Ao fechar a porta de casa (seu nome) se deparou com Liam em pé ao lado do carro segurando a porta aberta do lado do passageiro, sem segurar o sorriso à garota caminhou até ele o selando nos lábios antes de entrar no carro. Liam deu a volta e logo estava ao seu lado, o som tocava uma música baixa um pouco lenta e eles logo iniciaram uma conversa enquanto Liam dirigia para um restaurante não muito caro no centro da cidade.
Derek e David já sabiam todo o roteiro que Liam faria. Primeiro jantar, depois ele a convidaria para um filme e logo depois a aposta seria cumprida, mas sem Liam saber os irmãos tinham um plano que já estava sendo executado.
— Então... Você está gostando? — Liam deixou o garfo em seu prato depois de terminar de comer a pizza. (Seu nome) havia preferido que fossem a pizzaria em frente ao restaurante que eles iriam e Liam aprovou a ideia.
— Estou sim, eu nunca fui de sair muito sozinha com garotos, mas estou gostando de tudo. — admitiu um pouco envergonhada e tomou um gole do refrigerante em seu copo.
— Eu fico feliz por você está gostando. — ele sorriu — Quem sabe depois podemos ir a minha casa assistir um filme? — sugeriu olhando ansioso os olhos da garota, parte dele queria que ela não aceitasse.
— Pode ser... Acho que será legal. — (seu nome) estava animada, ela não costumava sair com pessoas que não fosse seus pais, Brianna ou colegas, mas ela e Liam têm algo não é mesmo? Isso a deixa ainda mais animada.
— Quando você quiser podemos ir. — Liam colocou sua mão sobre a de (seu nome).
— Podemos ir agora se preferi, já que terminamos de comer. — ela sorria olhando o Liam.
— Eu só vou pagar a conta. — disse Liam levantando a mão para que o garçom fosse até eles.
✧✦✧
Ao chegarem à casa de Liam, (seu nome) achou tudo muito bonito e organizado, não era uma casa muito grande, mas também não era pequena. Podemos dizer que é muito aconchegante.
Liam a mostrou um pouco da casa e guiou-a para o seu quarto, ele estava um pouco nervoso, mas teria que acabar logo com isso. (Seu nome) sentou-se na cama de Liam o vendo procurar um filme e Toy Story foi a escolha dos dois, eles tinham algo em comum.
O filme estava começando e Liam se deitou na cama puxando (seu nome) para deitar a cabeça em seu peito enquanto seus dedos acariciavam sua cintura por baixo do tecido da blusa fazendo um carinho gostoso.
Eles não sabem quando começaram a trocar caricias e nem dizer em qual parte do filme (seu nome) foi parar no colo de Liam enquanto rebolava no volume presente em sua calça. As grandes mãos de Liam foram de encontro à barra da blusa da garota puxando para cima e com a ajuda da mesma a peça de roupa logo estava jogada no chão. 
O calor emanava de ambos os corpos e (seu nome) não perdeu tempo e logo abriu o fecho de seu sutiã dando-o o mesmo destino de sua blusa, antes de poder fazer qualquer outra coisa Liam a virou na cama ficando por cima.
— Vamos com calma... — Liam sussurrou com a testa colada a de (seu nome) e deixou um selinho em seus lábios — Não quero fazer sexo com você. Quero fazer amor porque eu acho que estou gostando de você. — e ao dizer isso Liam havia deixado o plano de não envolver mais sentimentos ir por água a baixo.
(Seu nome) sentiu seu coração acelerar ainda mais e logo depois seu corpo inteiro se arrepiar ao sentir Liam distribuir beijos por seu pescoço e busto fazendo uma trilha de beijos molhados. Liam parou somente ao estar de frente ao short que (seu nome) usava abrindo-o com delicadeza tendo a atenção da garota para si enquanto terminava de despi-la deixando um beijo em sua virilha.
Liam se pós de joelhos sobre a cama pegando o controle da televisão a desligando e jogando-o no chão. Ele tirou sua camisa, calça e cueca e antes de atira-los ao chão, sacou a camisinha do bolso traseiro de sua calça.
Apoiada aos cotovelos (seu nome) observava Liam bombar seu membro  deslizando logo em seguida a camisinha em seu comprimento, ele se pós em meio às pernas dela e apoiou seu peso com o antebraço sobre o colchão se inclinado sobre ela para tomar seus lábios em um beijo calmo e delicado fazendo-a arfar ao sentir seu membro a roçando na virilha. Finalizando o beijo e mantendo suas testas coladas e seus olhos fechados, Liam acariciou a cintura de (seu nome).
— Me desculpe... 
E antes que (seu nome) perguntasse o porquê do pedido de desculpa, Liam deslizou seu membro lentamente para dentro da garota fazendo-a gemer arrastado levando suas mãos às costas dele ao que as estocadas aumentavam.
Liam voltou a beijar (seu nome) enquanto mantinha as estocadas constantes, ele estaria amando o momento se não tivesse meio que sido forçado a isso. A única coisa que não foi mentira dentre tudo que aconteceu é que ele está mesmo gostando de da falsa lésbica. 
Ao contrário de Liam que não estava totalmente feliz com o momento, (seu nome) se sente de alguma forma completa. Liam não está na sua vida há muito tempo, mas ele está na melhor parte dela e esse momento só serviu para sanar as dúvidas em sua cabeça, ninguém tinha sido tão carinhoso com ela durante o sexo, isso só prova que ele realmente se importa com ela.
Liam intercalava os beijos entre o pescoço e a boca de (seu nome) que tinha as pernas ao redor de sua cintura em busca de mais contato enquanto gemia alto quando os lábios de Liam não estavam sobre os seus. Bastaram mais alguns minutos até que (seu nome) gozasse arranhando sem dó as costas de Liam que se desfez na camisinha alguns estocadas depois.
Respirações pesadas, corpos suados e logo Liam se jogou para o lado encarando o teto com um meio sorriso em seu rosto, mesmo sem olhar ele sentia que (seu nome) estava sorrindo e isso o fazia se sentir bem.
— Eu acho que gosto de você também...
(Seu nome) sussurrou depois de alguns minutos que os dois passaram em silêncio normalizando as respirações.
Parece gay dizer, mas Liam sentiu que seu coração deu um salto com o que a garota ao seu lado disse, talvez a aposta não tenha sido de todo ruim, ele estava descobrindo algo que ele nem ao menos sabia o que era. Ele só quer dar por encerrada essa aposta e passar uma borracha sobre tudo isso sem que (seu nome) descubra.
Se virando para o lado ele sorriu para a garota que sorria para ele e selou seus lábios a puxando para o seu peito enquanto seus dedos acariciavam os cabelos soltos dela.
Talvez os planos de Liam não tivesse sucesso, enquanto ele pensava em como esconder de (seu nome) a maldita aposta, a luzinha vermelha piscava despercebida pegando um ângulo perfeito dos dois na cama.


Eu não estava conseguindo escrever essa parte e não fiquei muito satisfeita com o resultado.
Provavelmente a próxima parte será a última.



Imagine Harry Styles | You Can Call Me (Hot)

em 4 de julho de 2016 | 2 comentários:


Seria incômodo estar em um lugar cheio e abafado onde um passo que você dá para qualquer lado que seja você esbarra em uma pessoa suada.
Bem, seria incômodo se você não estivesse possuído pelo momento e um pouco alterado pela bebida, mas é geralmente isso que acontece nas boates onde a pista de dança fica completamente lotada.
No meio de tantas pessoas estou eu, Harry Styles, sentado no bar bebendo tequila. Daqui posso ver uma mulher a qual eu posso jurar que está dançando para mim.
Sua linguagem corporal deixa claro o que ela está sentindo. Desejo.
Os olhos dela estão focados em mim e eu retribuo o olhar fazendo questão de descê-lo por todo o seu corpo, em especial suas pernas desnudas. Um homem se aproximou da mulher tomando sua cintura com seus braços e a levou para o bar, coincidentemente para o meu lado.
Eles engataram uma conversar falando um no ouvido do outro por conta do barulho da música alta e eu nem precisei ouvir para saber que a mulher que antes me encarava estava de saco cheio. Ela balança a perna ansiosa, sinal de que está louca para que a conversa chegue logo ao fim e como se lhe fosse realizado esse desejo o homem que a acompanhava saiu com o celular na mão para provavelmente atender uma ligação.
Peço ao barman mais duas doses de tequila e assim que as tenho, entrego uma para a mulher ao meu lado.
– Evidentemente a pessoa que estava com você não sabe do que você gosta. - me inclino no banquinho para falar no ouvido da dela sem deixar de exibir um sorriso malicioso antes de beber minha bebida
– E você sabe do que eu gosto? - perguntou próximo ao meu ouvido apoiando sua mão em meu ombro
– Pelo jeito que estava dançando tenho algumas ideias.
– Então você estava me olhando? - riu fraco me olhando enquanto bebia a bebida que eu havia a dado
– Você estava olhando para mim primeiro. - passo a língua entre os meus lábios umedecendo-os – É uma pena que já esteja acompanhada.
– Eu posso não estar... – sorriu ladino – E além de você que está aqui comigo, eu não vejo ninguém. - olhou para os lados
Essa resposta foi um sim para a minha investida, o suficiente para que eu a puxasse para mim, unindo nossos lábios e iniciando um beijo de forma possessiva e avassaladora, que logo foi retribuído com a mesma intensidade.
As minhas mãos apertam a cintura fina da mulher e as mãos dela puxavam alguns fios do meu cabelo próximos a minha nuca.
Ainda sentado, a puxo para o meio de minhas pernas chegando um pouco para frente e colando nossos corpos.  As coisas estavam carnais demais para continuarmos aqui, isso era evidente por minha mão ter descido e estar apertando a bunda dela.
– Podemos continuar isso em outro lugar... - a mulher sussurrou deixando uma mordida no lóbulo da minha orelha
– Conheço um ótimo hotel.
Após dar um beijo em seu pescoço, me levanto pegando a mão dela e caminhando por entre as pessoas até que chegamos à frente da boate.
Enquanto eu chamo um táxi, a morena está com os braços em volta de meu pescoço e eu posso sentir seus beijos, o que causa alguns arrepios involuntários em meu corpo.
O táxi estaciona a nossa frente, abro a porta para que ela entre e assim que estou entrando também, (seu nome) - dizemos nossos nomes um para o outro no caminho para a saída - escala em seu colo causando uma leve pressão em nossos sexos.  Me esforçando para não perder o controle falo o endereço para o motorista e logo o carro está em movimento.
Durante o percurso (seu nome) chupa, morde e beija o meu pescoço e mantenho minhas mãos apertando sua bunda por debaixo da saia e não posso deixar de sorrir sacana notando os olhos atentos do taxista vez ou outra pelo retrovisor.
Ao chegar a nosso destino, atiro o dinheiro para o taxista e saio do carro com a mulher em meu colo, mas logo a coloco no chão. Pego sua mão novamente entrando no grande hotel ao qual eu frequentava quase que sempre.
Passo pela recepção pegando a chave do quarto e sigo para o elevador, antes mesmo que as portas se fechem nós já estamos nos agarrando sem nenhum pudor. Empurro a mulher na parede espelhada do elevador, minhas mãos descem para um tour em suas coxas e virilhas e meus lábios deixam marcas no pescoço alvo dela.
Eu deixaria marcas para ela não esquecer facilmente.
A morena faz alguns sons baixos em aprovação aos toques se contendo para não gemer alto quando os meus dedos tocaram sua intimidade coberta pela calcinha.
O lugar poderia ser facilmente comparado ao inferno, nossos corpos estavam tão quentes como o mesmo.
A porta do elevador abriu e nós saímos sem nos separarmos, caminhamos para o quarto e era a vez de (seu nome) beijar o meu pescoço enquanto eu abria a porta.  Uma vez dentro e com a porta fechada, (seu nome) me empurrou até a cama me jogando na mesma, tirou sua blusa exibindo seus seios por estar sem sutiã.
Mordo meu o lábio inferior somente contemplando a cena, a mulher tirou sua saia e subiu sobre mim apoiando um joelho de cada lado de minhas pernas. Suas mãos foram até o fecho da minha calça a abrindo rapidamente, puxou-a juntamente a cueca até que estivessem fora do meu corpo e jogada no chão do quarto.
(Seu nome) subiu mais um pouco se sentando sobre o meu membro excitado, rebolando minimamente me fazendo urrar pelo atrito. As mãos dela foram de encontro a minha camisa branca de botões abrindo alguns enquanto arranhava meu peitoral, mas logo tratou de puxar cada parte para um lado sem se importar se arrancaria alguns dos botões.
Não deixando passar o que ela fez com minha camisa, segurei sua calcinha com uma mão em cada lado e a rasguei jogando o pedaço de pano no chão.
(Seu nome) sorriu maliciosa me olhando enquanto sua mão segurava meu membro pela base o roçando em sua entrada, aperto sua cintura e ela se senta de vez em meu membro.
Meu gemido foi tão alto que tenho certeza que ouviram no quarto vizinho.
(Seu nome) começa a cavalgar lentamente no meu membro arranhando meu abdômen mantendo seus olhos fechados, sua boca se abre sem emitir som e eu a ajudo aumentando seus movimentos com minhas mãos em sua cintura.
— Isso... Oh...
Uma de minhas mãos vai de encontro a sua bunda em um tapa estralado fazendo-a gemer. A perto a sua bunda e a viro na cama tomando o controle. Entro e saio com meu membro algumas vezes em sua vagina beijando seu pescoço e seios.
Saio de dentro dela recebendo um gemido de desaprovação, a viro de costas fazendo-a ficar de quatro e a penetro por trás sem aviso.
(Seu nome) geme alto e eu dou um tapa forte em sua bunda como punição, a verdade é que adorei bater na bunda dela.
Dou mais algumas estocadas e tapas em sua bunda enquanto brinco com seu clitóris; penetro dois dedos em sua vagina úmida movimentando-os lentamente e ela logo goza. Alguns minutos a mais e tiro meu membro gozando em sua bunda e costas.
Assim que solto sua cintura, (seu nome) descansa o corpo sobre a cama e eu me deito ao seu lado ofegante.
 – Você acertou em cheio no que eu gosto... - ela sussurra em meio a sua respiração descompassada
– Eu disse que tinha algumas ideias. - rio fraco
Mais algum tempo e (seu nome) estava dormindo ao meu lado, essa era minha deixa.
Me levantei pegando minha roupa e me vesti, peguei um papel e uma caneta escrevendo meu numero e o colocando no travesseiro. 
Sai do quarto e do hotel deixando a diária paga e escrito em letras pouco legíveis “você pode me ligar quando achar que deve”. 


Hey Girls! ♥♥
Eu apareci hoje por ser meu aniversário e achei que seria legal postar algo para vocês nesse dia :)
♥-♥