Image Map

Imagine Harry Styles | Eu Te Amo Apesar De tudo (Hot)

em 29 de fevereiro de 2016 | 2 comentários:


Esse Imagine foi feito pela Clara... Eu apenas reescrevi e acrescentei algumas coisas.
Comentem :)

Há momentos que até mesmo a pessoa que amamos passa dos limites.
Sou (seu nome) Styles, tenho 25 anos e sou casada com Harry Styles, um ano mais velho. Somos casados há dois anos e meio e nosso relacionamento foi bem rápido, nos conhecemos em uma balada em que fui obrigada a ir por uma amiga, mas não me arrependo de ter o conhecido.
No momento eu estou com raiva dele, deixe-me explicar o motivo.
Harry e eu estamos em uma pub bem movimentada e quando chegamos fomos logo nos divertir, depois de um tempo ele me disse que iria buscar uma bebida para nós dois e que voltaria logo. Eu estou nesse exato momento o procurando, mas quando o vejo fico com raiva de mim mesma por ter ido o procurar. Ele está se agarrando com uma ruiva qualquer, sempre soube que ele voltaria a me trair, mas não queria realmente acreditar.
 Fui me aproximando deles devagar, mas nem se que eu quisesse eles notariam a minha presença.
Harry! - grito para chamar sua atenção já que ele parecia bastante concentrado no beijo
– (Seu nome)?! - ele me olha com um olhar de assustado
– Estou atrapalhando alguma coisa? - minha pergunta é carregada de deboche o que faz a ruiva me olhar como se estivesse formulando os fatos
– Quem é ela, Harry? - ela pergunta e Harry me olha como se estivesse com receio de responder – Quem é ela, Harry? - altera o tom de voz
– Ela... Ela é... - ele ainda tem receio em responder
– Eu sou (Seu nome) Styles... A esposa dele! - dou ênfase em “esposa”
– Como assim esposa? - ela alterna seu olhar entre mim e o Harry
– Somos casados. - Harry se manifesta
Éramos casados! - Harry me olha quase instantaneamente com uma cara nada boa
– Como assim éramos casados? - pude notar suas pupilas dilatarem e então a imagem do pior lado do Harry veio em minha mente
– Isso mesmo... Éramos! - repito com firmeza
Nosso casamento só acabando quando eu disser que acabou!
E como um filme as imagens do Harry possessivo e agressivo passou em minha mente e somente foi interrompido por um impacto forte em meu rosto. Harry havia me batido.
Uma multidão foi se formando a nossa volta e quando me dei conta a ruiva estava ao meu lado me ajudando a levantar, após ter perdido completamente o equilíbrio por causa do tapa forte no lado esquerdo do meu rosto.
Harry empurrou a mulher do meu lado e me arrastou para fora da pub.
Tentando falhamente me soltar de suas mãos varias vezes, desistir quando já estávamos na frente do carro e ele me jogou para dentro.
Ele está dirigindo rápido demais e eu estou com medo que ele cause um acidente, as lágrimas descem por meu rosto descontroladamente e eu tento não chorar alto.
Eu pedia a Deus que o trajeto fosse o mais longo possível, pois eu sabia que ao chegar em casa quem vai pagar será eu, mas ele já está estacionando o carro. Ele desce do carro, dá a volta e me ‘arranca’ de dentro do mesmo.
Ao entrarmos em casa o medo me domina por completo.
– Então você acha que pode sair falando que vai se divorciar de mim? Bem corajosa você! - ele me olha e não consigo decifrar seu olhar
– Você estava me traindo com aquela mulher. - ele me dá outra tapa em meu rosto e eu me arrependo de te acordado essa manhã
Eu não estava te traindo! - sua voz ecoa na sala me fazendo encolher quando ele aperta meu maxilar com uma das mãos. Ele fede a vodka.
Claro que estava! - grito em um súbito de coragem e raiva - Como tem a cara de pau de mentir? Eu vi! - mais lágrimas escorrem por meu rosto
– Ela me agarrou, amor... - sussurrou calmo -Vou te mostrar que não se pode fugir quando alguém te agarra. - sorri de forma psicopata
Harry segurou meu braço violentamente me fazendo subir as escadas enquanto eu imploro para que ele me solte, mas de nada adianta.
Chegando ao nosso quarto Harry me empurra com brutalidade me fazendo cair no chão e ele se afasta para me olhar. Harry sempre gostou de ver a feição de suas “vitimas”, ele sempre foi possessivo o que sempre me dá medo de me separar dele.
Eu estou suando frio, não queria mostrar medo, mas meu corpo todo treme como os pensamentos que rondam a minha cabeça, eu não gosto de nenhum deles porque sei que qualquer um pode acontecer.
Harry me pega e me joga sobre a cama.
 – Tire a roupa! - ele manda mais eu balanço a cabeça em negação – Tire... A... Roupa... - diz devagar me olhando irritado, mas eu nada faço – Tire a merda da roupa agora! Eu estou mandando! - sua voz alterada chega aos meus ouvidos me causando desespero e para não piorar eu o obedeço
Começo atirar minha roupa com lentidão tentando adiar o que vai acontecer, eu sei muito bem, essa não será a primeira vez.
Completamente despida, Harry amarra em meus pulsos e pés com as gravatas que ele buscará a minutos atrás. Tentando controlar a minha respiração olho Harry que me encara como se estivesse diante de um objeto, o que me leva a pensar que ele está decidindo o que fazer comigo.
– O que acha que eu deva fazer com você, (seu nome)? - ele me olha esperando uma resposta – Eu te fiz uma pergunta, vadia, então eu quero a resposta. - sua mão pesada se choca contra a minha coxa me fazendo gemer baixo por conta da ardência no local – O que eu devo fazer com você? - repetiu a pergunta com um tom de voz mais autoritário
– Só... Por favor, acabe logo com isso, Harry... - peço quase sem som, como se fosse uma suplica e ele ri
Suas mãos grandes começam a deslizar pelo meu corpo, passando por meu braço, pescoço, seio, barriga, perna, virilha e faz estadia quando chega a minha intimidade.
Assim que percebeu que eu o olhava, Harry me olha sorrindo malicioso enquanto seus dedos brincam com meu clitóris, mordo o meu lábio inferior o que faz seu sorriso crescer ainda mais. Ele se abaixa ficando no meio de minhas pernas e se segurando em minhas coxas abaixa o rosto até o meu sexo e o lambe lentamente, aperto meus olhos entreabrindo a boca sem deixar que nenhum gemido escape. Não daria esse gostinho para ele.
Harry começa a chupar minha vagina enquanto aperta seus dedos em minhas coxas. Concentrada apenas em não demonstrar prazer, eu queimo por dentro e sem que eu possa perceber deixo um gemido de prazer escapar quando sou penetrada por sua língua.
– Está gostando, querida? - ele pergunta sarcástico
– Pa-pare... - tento me opor, mas tudo que eu tentar dizer sairá como um gemido
Harry para o que estava fazendo e eu suspiro aliviada; assim que abro os olhos ele está sobre mim com seu membro ereto roçando em minha coxa e seu rosto próximo do meu.
– Por que (seu nome)... Por que quer se divorciar de mim? - ele passa seu nariz em minha bochecha - Eu sei que erro, mas não podemos apenas conversar com um casal normal? - seu tom de voz vai aumentando ao decorrer da frase - Você tem que ser tão má?!
E assim que Harry acaba de dizer a ultima palavra sinto-o me penetrar sem aviso ou permissão. Ele sussurra ao pé do meu ouvido palavras desconexas a cada estocada funda e forte, meu corpo é empurrado para cima sendo puxado de volta pela gravata em meus pés.
Meus gemidos são altos e ecoam por todo o quarto, os de Harry são contidos e roucos me fazendo arrepiar completamente.
Por mais que eu queira ser imune aos toques brutos e esse sexo horrível e humilhante, eu não sou, como as noites que fizemos amor eu sinto prazer.
Mais alguns minutos com beijos em meu pescoço e estocadas fortes, chego ao clímax gemendo alto. Harry continua até que consiga chegar ao seu orgasmo.
Sinto as mãos de Harry desamarrando meus pulsos e pernas, mas antes de qualquer coisa sou puxada para a inconsciência por meu sono.
Abro meus olhos e vejo a luz fraca do sol entrar no quarto pelas cortinas abertas, olho para os lados e percebo estar sozinha no quarto. Sento-me na cama e sinto meu corpo doer, gemendo baixo olho meus pulsos que estão marcados e levanto a camisola - que até então eu não tinha percebido que usava - vendo a marca da mão do Harry desenhada em minha coxa.
 Levanto-me caminhando devagar até o banheiro e faço minha higiene matinal, assim que acabo tento me decidir se desço ou não para tomar água; Depois de alguns minutos minha cede vence.
Arrasto os pés até a cozinha, sinto-me acabada o cansaço me domina o corpo.
Passo pela porta vendo Harry preparar algo, me encolho instintivamente deixando um ofego escapar o que o faz virar-se para mim.
– Bom dia, amor! - ele sorri. Eu acho incrível a sua capacidade de agir como se nada tivesse acontecido.
– O que esse dia poderia ter de bom? - murmuro tendo a certeza que ele não ouviu quando ele caminha até mim e eu me abraço com medo
– Eu não vou te machucar... - ele suspira e beija a minha testa - Me desculpe por te fazer passar por aquilo quando você não tem culpa de nada. - ele se mostra arrependido
 – Eu não vou esquecer... - sussurro
– Eu não estou pedindo que esqueça, sei que é impossível... - ele acaricia o meu rosto - Só peço que tente me perdoar, apesar de tudo eu te amo. - suas palavras são baixas como se ele não quisesse me machucar, mas é um pouco tarde
– Você me machucou de verdade ontem... - sussurro o mostrando meus pulsos
– Eu estava fora de mim... - ele morde seu lábio um sinal claro de que ele está segurando o choro
– Saiba que se você levantar a mão contra mim outra vez eu vou embora... Para sempre! - olho em seus olhos - E se me trair irá me perder do mesmo jeito. - ele assente
– Me perdoe... - ele me abraça apertado
– Não vamos nos separar, mas você não está perdoado... Dormiremos em quartos separados e sem carinhos por alguns dias... Podemos chamar isso de recuperando a confiança. - digo sem abraçá-lo de volta e ele me solta
– Tudo bem... Faço tudo para ter você comigo.
Com um meio sorriso me sento em um banco de frente a bancada.

Mesmo que ele tenha me causado dores físicas e emocionais, eu não conseguiria me separar do meu marido... Não quando o amo verdadeiramente.


Hey Angels!
Não tenho muito o que falar...
Esse imagine foi feito pela Clara, eu a conheci há alguns dias por causa do concurso para Adm.
Espero que tenham gostado :)
Beijos ♥

Mini Imagine Harry Styles | AM

em 9 de fevereiro de 2016 | 6 comentários:





Leia ouvindo: AM - One direction

      A garota agora com seus meros 18 anos e a prestes a ir para a faculdade, sai de casa disposta a ter seu último encontro com seu melhor amigo, cujo tem olhos verdes como kiwi e cabelos grandes e cacheados que brilham como uma constelação. Ambos seguirão caminhos diferentes a partir deste dia em que astros se alinharão, e calendários  mudarão. (S/n) irá cursar o primeiro semestre da faculdade em Boston, e Harry irá em turnê com três de seus melhores amigos. Indo em direção à grande casa de muros altos, pensamentos invadem sua cabeça que a fazem se perguntar se a relação construída durante mais de dezesseis  anos com seu melhor amigo irá cair no esquecimento.  
    
    Todos os anos, neste mesmo dia e horário  (s/n) e Harry vão ao parque, que em todas as semanas era frequentado por eles, mas que neste dia, ano após ano era especialmente comemorado uma data especial, o aniversário de Harry. Todo ano ambos iam com uma cesta e piquenique com inúmeros doces e variados salgados, dispunham todos em uma toalha sob a grama incrivelmente verde do lugar, e lá comemoravam do jeito que mais gostavam conversando e trocando carícias até o amanhecer. E após o fenômeno, ambos se despediam e Iam felizes para casa, pois sabiam que amanhã tudo seria igual novamente. Porém deste dia em diante nada seria como antes.  
    
    Em plena madrugada Harry anda em passos lentos por seu enorme quarto, enquanto agradece pelo celular as inúmeras chamadas de pessoas íntimas querendo dar-lhe parabénsAo som que finaliza a chamada Harry vai ao seu closet pegar uma roupa e sua bota preferida, embora tenha centenas, para  esperar a garota de cabelos laranjas cujo todo ano vai em sua casa para que comemorem seu aniversário até o amanhecer londrino. 
     
    O tilintar da campainha alerta o garoto, que desce às escadas rapidamente tendo assim risco de cair. Abre a porta e vê a pessoa que mais esperou durante horas, e abraça-a como se a tempos não a via. Ela dá uma gargalhada espontânea fazendo assim, toda tenção as dissipar daquele ambiente. 

- Feliz aniversário! 

Você  demorou! – falou ele, ainda abraçado a ela. 

- Eu vim o mais rápido que pude, Baby.  Ela falou com um enorme sorriso. 

    Enquanto andavam em direção ao parque com as não entrelaçadas , na cabeça da garota rondavatipos de desculpa para dizer ao seu melhor amigo de que ela não poderia ficar até o amanhecer, pois o voo mudaria a sua vida estava marcado para as cinco e manhã, a hora em que o sol nascia e, para o azar dela o momento preferido de seu amigo. 

    Ao chegarem ao lugar, era nítido como tudo estava triste, a grama não estava verde como na maioria das vezes e o céu estava relativamente nublado. Parecia que o lugar também ficara triste com a partida da menina e a separação e ambos. 

    Estenderam a toalha, espalharam pequenas velas ao redor, dispunham todos os alimentos sob a toalha e se sentaram. 

- O que você espera da faculdade de Boston?  

- Eu não sei, por um lado eu estou com esperanças, de ter uma vida mais responsável, me virar sozinha, mas por outro me apavora. Ao mesmo tempo que tem tudo de bom eu não vou ter ninguém por perto. 

- Eu já te falei que sempre que eu puder eu vou te visitar. 

- Harry, sabemos que o seu tempo é muito sacrificado. Por conta da tour e todas as entrevistas... Eu adoraria saber que você irá me visitar, mas eu não quero me iludir. 

    Harry não comenta nada apenas deixa uma expressão triste tomar conta de seu rosto, o que para em sua é de que deve aproveitar o máximo de tempo com sua melhor amigapois só o tempo sabe quando eles virão a se encontrar novamenteHarry a abraça forte e o tempo vagarosamente se passa sem que eles percebam. 

   Abraçada  a Harry ela teme a hora de ir, sabe que esse é o certo mas não consegue fazer. A cada minuto que se passa mais aflita (s/n) fica, por ter que contar a Harry. 

- Baby, eu preciso ir. – (s/n) esconde seu rosto no entre o maxilar e o e o pescoço de Harry, com medo da reação do seu maior confidente. 

- Ainda é cedo, precisamos ver o pôr do sol lembra? 

- Eu não vou poder assistir ao pôr do sol com você. – Ela o olha esperando a sua reação. 

- Mas é claro que pode, você não quer ficar até o amanhecer?

- Eu não posso, eu preciso ir.

Ela levantou-se soltou a mão do rapaz e se foi, deixando seu coração naquele lugar com o garoto que até então mais amara na vida.



Hello from the outsiiiiideee! Eu voltei agora pra ficarrr! OI gente ! Aqui é a Mari, depois de muitos meses... Eu postei hoje ( que na realidade era pra eu ter postado ontem, mas já tava pronto) um mini mini mini com o nosso bom e velho marido que ja está beirando as rugas com 22 anos. Eu fiz esse imagine com inspiração da música AM dos meninos por que eu amei muito ela (anyway), eu vou estar postando um imagine com o nosso "Daddy Boo" segunda que vem. O imagine quem pediu foi a Katherine ( seu nome é LINDO) e o imagine vai ser hot hot (hummmmmm). Eu escrevi esse imagine em terceira pessoa e eu estou bem apreensiva quanto a isso se vocês gostaram desse estilo (haha) de narrativa me falem aqui que eu posso escrever mais assim OK? Beijocas Maridas :v