Image Map

Relou, Stéfane se apresentando...

em 20 de maio de 2015 | Um comentário:

Olá, pipou!
Eu me chamo Stéfane, mas podem me chamar de Sté de agora em diante, tenho 14 anos e nasci no dia 05/02. Sou Directioner desde de 2012 e me apaixonei pelo Harry, mas hoje o meu preferido é o Niall.
Eu gosto de ler livros, não tanto mais eu gosto e a minha série de livros preferida no momento é Maze Runner e hoje eu cheguei no terceiro livro.
Gosto de filmes e sempre que não estou assistindo séries eu estou vendo filmes que nunca assisti ou revendo os meus filmes preferidos e sou super viciada na categoria animação, meu filme preferido está empatado entre Operação Big Hero e Como Treinar o seu Dragão;
As minhas séries preferidas são: Once Upon A Time, Teen Wolf e The Flash e estou tentando acompanhar IZombie, Gotham, The Walking Dead e Pretty Little Liars.
Bem... Essa sou eu!

Oi Oi Paçoquinhas, Sou a Mari!

em 19 de maio de 2015 | 15 comentários:

  






    Olá Paçoquinhas!!!!!!! (Só eu que amo paçoca?). Sou Marianna Com dois n’s pois é, minha mãe colocou assim por que quis que meu nome tivesse uma quantidade de letras pares, vai saber né? Podem me chamar de Mari, Meri, Marizinha, Paçoca, Bolinho de cuscuz, (Sou movimentada á cuscuz),Marida, Como você quiser, Só não chama de MARIANNA, por que eu acho que é um nome muito grande, e eu não quero cansar os dedinhos de vocês.
    

Olá, sou Nick, nova postadora

em | 5 comentários:

Oi, como vão? Sou Nicole Oliveira, mas gosto de ser chamada de Nick (ou de como preferirem) e sou autora da fanfic Night Dreams. Semana que vem, trago a postagem dos personagens, sinopse e prólogo, espero que gostem. Perguntas, sugestões, críticas são bem-vindas. É só isso mesmo, beijos!

Olá, sou a Brenda, nova postadora

em | 2 comentários:


Oi Oi gente, então meu nome é Brenda, mas vocês podem me chamar de Breeh ou como preferirem. Tenho 17 anos, e sou a dona da fic "O Contrato".  Logo, logo estarei postando a sinopse (talvez hoje ainda) e os personagens. E logo estarei postando o primeiro capitulo. Bem, espere que vocês gostem, e lembrando que criticas e sugestões são bem-vindas. 













Sou a Tabatha, mas me chamem de Batata

em | 5 comentários:

Olá meninas, prazer eu me chamo Tabatha Nunes, mas podem me chamar de Batata ou como preferirem :3. Eu tenho 13 anos, e sou autora da fanfic All You Need Is Love. Eu estarei postando a sinopse e os personagens ou hoje ou amanhã. E eu postarei o primeiro capitulo na terça que vem, pois primeiro apresentarei a sinopse e os personagens. Enfim, eu espero que todas vocês gostem, pois estou caprichando muito. Não se sintam tímidas, me dêem ideias, falem se gostaram ou não de tal coisa. Eu sempre responderei cada comentário de vocês. E é isso!


0


Novas Adm's

em 18 de maio de 2015 | Nenhum comentário:


Oi amores! Estou passando aqui para dizer que o concurso para adm do blog chegou ao fim, quero agradecer a todas que se inscreveram, eu amei muito cada sinopse que me mandaram.
As meninas que não foram escolhidas não desistam porque eu ainda quero ler a fanfic de vocês. Eu queria ter todas vocês na equipe, mas não é possível e eu acho que exagerei escolhendo cinco meninas, mas para quem queria escolher todas, cinco é pouco. 
As escolhidas já receberam o e-mail e entraram aqui assim que possível.

As fanfics escolhidas foram

Night Dreams - Nicole Oliveira
What Would You Do - Marianna Barros
Once I Was Real - Stefany Moreira
O Contrato - Bruna Rafaeli
All You Need Is Love -Tabatha Nunes

Meninas sejam bem-vindas, é um prazer ter vocês como parte do One Dí Dreams.

Imagine Liam Payne | Who Is She? (Pedido/parte 2)

em 12 de maio de 2015 | 10 comentários:


(Leiam as notas finais, por favor!)
Parte I

(Seu nome) POV

Abri a porta de casa com Liam logo atrás de mim, andei até o sofá colocando uma de suas malas que eu trouxe e escutei a porta ser fechada por ele.
Liam havia ficado uma semana em observação e eu ia ao hospital todos os dias na esperança que ele se lembrasse de mim, mas sempre que eu cruzava a porta a única coisa que ele perguntava era sobre Lewis e a partir dai ficávamos em silêncio até que eu o quebrasse com alguma pergunta qualquer e sem importância.
Dr. Styles sempre tentava me consolar dizendo que essa amnésia podia ser passageira e que depois disso poderíamos voltar a ter nossa vida normal, mas eu sabia da possibilidade dele nunca se lembrar, e nossa historia não passar de uma parte escura e escondida em sua cabeça.
- Deixe sua mala no sofá. - falei assim que o vi encarar cada ponto da sala como se fosse à primeira vez que esteve ali - Fique a vontade, a casa é sua... Vou até a casa da vizinha buscar Lewis e já estou voltando.
Liam apenas assentiu e eu sai de nossa casa atravessando o gramado e adentrando a propriedade dos meus vizinhos, bati na porta e esperei até Louise atendesse.
- Lewis olhar quem chegou! - disse alto assim que me viu parada em sua porta
- Mamãe! - vi uma coisinha surgir detrás da Lou todo sorridente correndo e em seguida pulando em meu colo
- Oi meu amor! - levantei-o em meu colo beijando seu rosto - Adivinha quem está te esperando lá em casa?
- O papai? - assenti - Eu estou com saudade do papai.
- Como está o Liam, (Seu apelido)? - Lou perguntou tirando minha atenção do baixinho em meu colo
- Ainda não se lembrando de mim. - falei ressentida repuxando os lábios
- Sinto muito... Espero que ele se lembre logo, deve ser difícil para você.
- É difícil, mas eu estou mantendo a calma... - sorri minimamente - Eu tenho que ir, Liam está sozinho. Obrigado por ficar com o Lewis.
- Imagina, a Lux ama brincar com ele. Sempre que precisar é só falar. - assenti vendo a Lou sorrir
Andei de volta para o meu lado do gramado, abri a porta vendo Liam em pé em frente à mesinha de centro que continha fotos nossas e fotos do Lewis. Suspirei entrando e no mesmo instante que viu o pai, Lewis pulou do meu colo indo até o mesmo.
- Papai você demorou! - disse em meio a um abraço apertado
- Desculpe filho, papai não pode vir antes. - beijou sua cabeça - Como vai meu garotão?
- Eu vou bem e fiquei mais forte, mamãe falou para eu comer muito e ficar fortão para quando você voltasse. - disse animado e olhou para mim e Liam fez o mesmo
- O papai ficaria muito feliz se visse o campeão dele bem forte. - me aproximei dos dois e acariciei as costas de Lewis no pretexto de ficar perto do Liam
- Eu estou muito feliz de ver você meu amor. - disse analisando Lewis.
Confesso que meu coração apertou quando ele disse essa frase, era a frase que eu mais queria ouvir quando ele acordou, mas não foi o que aconteceu. Com os olhos cheios de lágrimas que eu tentava inutilmente segurar para que Liam não as visse, eu me virei de costas para os dois e respirei fundo.
- Querem comer alguma coisa? - me virei para eles com as lágrimas já contidas
- Sim! - Lewis gritou
...
A manhã passou rápida, a maioria do tempo eu ficava encarando Liam brincar com nosso filho. Olhando de longe os dois juntos parece que não houve nenhum acidente e que não há um problema entre nós.
Olhando assim eu pareço assistir como costumava ser nossos dias antes de eu me tornar uma estranha para o homem que vive ao meu lado exatos oito anos.
Nós brincávamos de pega-pega, onde Liam sempre era o primeiro a pegar, quando os dois estavam juntos sentados em algum lugar eu chegava de mansinho e beijava a nuca de Liam o ouvindo rir baixo. Se eu fizer isso agora, com toda a certeza as coisas vão ser bem diferentes, Liam provavelmente me afastaria.
Vendo os dois homens da minha vida juntos, lembrando do passado feliz e sem nenhum problema fez sem que eu percebesse lágrimas escorrem por meu rosto e a magoa de ser a única esquecida apertar o peito.
- Mamãe, por que você está chorando? - perguntou uma voz melodiosa certamente preocupada, acordei de meus pensamentos e vi os dois seres de olhos igualmente castanhos me encarando.
- Não é nada meu amor, voltem o que estavam fazendo. - sorri limpando as lágrimas
...
Depois do jantar, Lewis dormiu e eu fiquei na cozinha lavando a louça que sujamos e guardando as sobras da lasanha. Limpei o fogão, enxuguei e guardei a louça que eu havia lavado há pouco tempo e fui em direção à sala parando no batente da porta ao ver Liam com um porta-retrato na mão.
Fiquei o olhando em silêncio por algum tempo até ouvi sua voz em meio de todo o silêncio.
- Eu queria muito saber o porquê de não me lembre de você... Não lembrar da vida que tínhamos ou da nossa relação... Não consigo ao menos me lembrar do nosso casamento. - por fim me olhou
Eu apenas suspirei e me direcionei até ele me sentando ao seu lado no sofá e então eu pude ver que ele segurava o porta-retrato da foto que tiramos no nosso casamento depois de sermos abençoados pelo padre. Peguei delicadamente a foto de sua mão, sorri me lembrando do dia mais importante da minha vida.
- Eu estava tão nervosa nesse dia, queria que tudo saísse perfeito. - acariciei a foto - Você se atrasou e ficou preso no transito, eu cheguei à igreja e minha mãe disse que você não tinha chegado, eu entrei em desespero achando que você tinha me abandonado, então sua mãe correu até mim pedindo que eu ficasse calma que você já estava a caminho. - sorri minimamente - Minutos depois eu vi você entrar todo afobado na igreja e eu pude respirar aliviada. - encarei Liam que parecia pensar... Mais silêncio.
- Eu não consigo me lembrar! - negou com a cabeça - Está tudo muito vago em minha cabeça.
- Tudo bem! - coloquei o porta-retrato em seu lugar e me levantei - Você sabe onde fica o nosso quarto? Quando estiver com sono pode ir se deitar.
- Eu vou dormir no quarto do Lewis. - o olhei sem reação - Você é praticamente uma estranha para mim, eu não me sentiria bem dormindo ao seu lado... Desculpe!
- Tudo bem! - falei com a voz afetada pelo choro que prendi - Boa noite!
Sem esperá-lo responder virei-me rapidamente em direção as escadas e as lágrimas já escorriam pelo meu rosto, suas palavras me atingiram com facas afiadas cravadas diretamente no meu coração. "Você é praticamente uma estranha para mim, eu não me sentiria bem dormindo ao seu lado", essa frase ecoa em minha cabeça.
Quase perdendo as forças das pernas, caminhei cambaleante até o quarto que dividíamos e me joguei na cama me permitindo chorar alto abafando o choro com o travesseiro.
Não faço ideia do tempo que fiquei chorando, mas minhas lagrimas não secaram até que eu conseguisse dormir.
Narradora On
Depois que (Seu nome) se retirou da sala, Liam continuou mais algum tempo no mesmo local se obrigando a lembrar de algo, o que foi uma tentativa completamente falha. Quase sendo dominado pelo sono resolveu ir dormir, passando pelo corredor viu uma porta aberta e ao olhar para dentro pode ver a mãe de seu filho de costas para a porta encolhida na cama. Sem fazer barulho andou até a mesma e olhou seu rosto, era visível pela face vermelha que a mulher chorou até cair no sono.
Liam não sabe explicar o porquê, mas só de pensar que ela estava sofrendo por sua causa, sentia algo pesar em seu coração. Pegou um cobertor em um baú aos pés da cama e cobriu a mulher, acariciou seus cabelos e beijou sua testa. Para ele, ela era uma desconhecida, mas seu coração a conhecia melhor que qualquer outra coisa.
...

Oi amores! Aqui estou eu com a segunda parte de "Who Is She?", espero que estejam gostando. Eu preciso da opinião de vocês... Vocês querem que o Liam volte a se lembrar da (Seu nome) ou o mini acabe com os dois separados (Lembrando que não existe a opção: Ficar com o Harry.) Comentem o que vocês acham, quero saber a opinião de vocês. E sobre o mini com o Harry do estupro eu estou tentando continuar, mas não sei se consigo, peço um pouquinho de paciência que assim que eu terminar postarei aqui. Falta uma semana para o resultado do concurso de moderadoras e devo admitir que quero escolher todas que se increveram... Bjos e até mais!

Imagine Harry Styles | Kiss Me (parte 2)

em 7 de maio de 2015 | 4 comentários:



De: (s/n) <Beija-flor@net.com>
Para: Harry <harold.styless@mail.com>
Enviada: 06 de maio, 21:54
Assunto: Por que você não está atendendo?

Harry,
 Eu tô te ligando desde sexta passada, mas só chama, chama, chama e você não me atende, Por quê? Eu fiz alguma coisa que você não gostou? Desculpa, se eu fiz alguma coisa L.
Me responde por, favor eu já tô ficando preocupada!
Love you

Com amor e sempre sua, S/n. <3


De: Harry <harold.styless@mail.com>
Para: (s/n) <Beija-flor@net.com>
Enviada: 07 de maio, 00:31
Assunto: Re: Por que você não está atendendo?

Oi Flor,
Desculpa, mas é que eu, sem querer, deixei meu celular cair no chão e ele rachou a tela inteira, e ainda não tive tempo de comprar outro. Mais prometo comprar ainda essa semana.
Love you too.
Love, Harry.

    Desde sexta-feira passada, que eu não respondo ela, por um simples motivo, eu quero fazer uma surpresa pra ela, a formatura da faculdade dela é amanhã, dia 8, e eu estou indo, pra ver se eu consigo chegar a tempo de vê-la.
    Depois de tudo que tivemos da vez que ela passou aquele tempo comigo na turnê, não nos vemos desde então, digo, não fisicamente, mas semanas atrás nos falávamos por Skype. Mas não temos nada de mais, estamos só ficando, mas eu gosto dela como eu nunca gostei de nenhuma mulher na minha vida, claro que, eu não posso dizer que ela é a mulher da minha vida, por que eu ainda vou ter muito tempo pra ver isso principalmente ao lado dela, mas eu realmente amo ela, de verdade e eu quero tornar isso concreto. Nunca deixei esse sentimento me levar por nenhuma outra garota que eu conheci, nem por meses que eu passei com elas, mas com a (s/n) é diferente.
    Meu plano é assim: agora estou embarcando de Paris acabamos os shows ontem e hoje embarcaríamos pra casa e eu chegarei exatamente uma hora e meia, antes da entrega dos diplomas, assim eu posso arrumar as coisas que eu planejei pra nós dois.


De: (s/n) <Beija-flor@net.com>
Para: Harry <harold.styless@mail.com>
Enviada: 08 de maio, 06:30
Assunto: Re: Re: Por que você não está atendendo?

Ok! Eu queria tanto que você viesse, pra me ver L. Então... Bons shows.
Love, (s/n)

    Hoje seria minha formatura, todos estariam lá. Minha mãe, minha vó materna, as meninas da banda, meu pai, e com toda essa quantidade de pessoas eu fico muito mais nervosa que o normal, minha felicidade está a mil, só de pensar que eu passei cinco anos me esforçando pra aprender cada pedacinho do nosso corpo, me dá um orgulho de mim mesma. Eu consegui!
    Marquei salão, massagem, drenagem, e o meu vestido era lindo. Custou bem caro, eu confesso, mas foi o único que eu achei á altura, e pelas noites que eu passei estudando para prova e fazendo tcc.
 [...]
Senhorita (seu nome completo), Medicina pediátrica!
    Aplausos e mais aplausos me receberam em cima do palco para pegar meu diploma. Sr. Philip, meu professor entregou-me meu diploma, me deu uma abraço e me parabenizou. Seria a oradora da turma, me posicionei na frente do microfone e da faculdade em peso, presente ali.
    Peguei a folha que eu havia preparado há semanas atrás, depois de muita modificação durante essas semanas. Comecei a falar, ao final, olhei para o final do auditório e vi, ele, Harry Styles com um sorriso de orgulho no rosto, há quanto tempo ele estava ali? Será que ele ouviu tudo o que eu disse?  Por que ele não me avisou nada?
Não importava mais nada, só que ele estava ali pra me ver.
Desci do palco, todos já haviam recebido seus devidos diplomas e agradecimento, e estavam abraçando seus familiares, amigos, alguns choravam de alegria, mas na hora em que o vi, era só eu e ele ali, naquele auditório enorme. Corri até ele e o abracei, com toda a saudade que eu senti todo esse tempo.


Harry POV
 Ela estava radiante, mesmo de beca. Eu estava mais do que feliz, a ver realizando um sonho. Sentir ela me abraçando apertado, poder sentir ela de novo foi a melhor coisa que eu senti nessa viajem, mal posso esperar pra termos um tempo á sós, para saber o que aconteceu nesses dias, tudo que eu mais quero, é ficar perto dela.
- Como foi Baby?
-Foi... Bem, nervoso. Mas você não estaria em Paris? Fazendo shows? Por que você está aqui?
- Você acha que eu não ia vim te parabenizar e ver você realizando seu sonho?
- Bom, eu achei. Eu fiquei preocupada, por que eu não sabia que você tinha perdido seu celular.
- Então- peguei meu celular do bolso e mostrei a ela- Eu meio que nem perdi. - Dei um sorriso amarelo. E ela esboçou uma expressão surpresa muito engraçada. Dei uma gargalhada.
- Você me enganou?- A surpresa ainda dominava o seu rosto.
- Foi por uma boa causa, eu queria te fazer uma surpresa.
- Bom, eu adorei a surpresa, mas precisava parar de falar comigo por uma semana? Eu fiquei solitária naquele apartamento. - Falou fazendo bico e carinha de cachorro que foi esquecido na mudança.
- Mas e seu te disser, opa! Ainda não posso falar, é surpresa!
- Mas!?  Há quanto tempo você está aqui?
- O suficiente, bom eu quero conhecer a sua família.
- Eles estão ali, vem!
    Conheci toda família dela, o seu pai não me olhou com uma feição muito boa, embora sua vó e sua mãe sorriram pra mim e me cumprimentaram.
A festa foi muito animada, mas não demoramos muito lá.


 O Harry teve a gentileza, de deixar minha mãe, minha vó em casa. As meninas ainda ficaram um pouco pra curtir a festa, e meu pai foi embora pra sua casa com seu carro.

          [...]
- Posso abrir?
- Não calma!
- Ai Harry, que mistério!- Senti sua mão em meu rosto e logo depois um beijo calmo.
- Pode abrir!- Ao abrir meus, minha expressão de surpresa não poderia ser outra, ao olhar ao redor, o que vi foi uma perfeita suíte presidencial decorada com velas aromáticas que davam uma iluminação leve junto com os dois abajures um de cada lado da enorme cama King Size,
- A noite hoje já foi sua por muito tempo, agora é hora de dividir ela comigo.


  Eu a beijei como se não houvesse amanhã, fazendo com que toda aquela saudade que havia no meu peito, explodisse de tanta felicidade.  Quando nossos beijos ardentes cessaram, aproveitei para abri o fleche lateral do seu vestido fazendo-o cair no chão mostrando seu corpo seminu, só com uma peça, pois estava sem sutiã, e mostrando suas curvas, que me levavam á loucura.
Voltei a beijá-la novamente, ela vendo que estava em desvantagem, tirou meu blazer e começou a desabotoar a minha camisa e tirou seus saltos. Empurrei- a até á parede com certa brutalidade e voltei a beijá-la, passando a mão por todo o seu corpo. Sem sucesso em tentar abrir os últimos botões da minha camisa eu mesmo tratei de abri-los e jogar a camiseta para algum lugar aleatório que não tive a menor intensão de saber, pois dei impulso para que ela entrelaçasse as pernas em minha cintura.
    Levei-a para a cama e joguei-a ouvindo um gemido baixo sair de sua boca, tirei minha calça e fui pra cima dela e a observei e ali eu vi que ela, aquela perfeita mulher em minha frente era a mulher da minha vida e agora eu não tinha mais dúvidas disso.
A distância pouco me importava eu iria amá-la com todas as minhas forças.
Tirei a ultima peça que lhe restava, e me livrei da minha, quando eu a invadi pedi que ela me olhasse, em momento algum nosso contato visual foi quebrado, a não ser quando viramos um só, naquela noite.
Estávamos deitados, já com a respiração controlada, ela de barriga pra cima e eu com a cabeça deitada em seus seios e com os braços entrelaçados em sua cintura e ela, fazia cafuné em meus cabelos.
- Eu te amo tanto... Tanto, que você nem imagina. - Eu a olhei e ela sorriu de olhos fechados.
- Eu também te amo.
- Quando eu tiver, aquelas “pequenas pausas” que a turnê tem, promete que posso ficar com você?  Promete que vai sempre me esperar? Eu estou sendo um puto de um egoísta, mas você vai me esperar?
- Eu vou sempre te receber com o maior amor do mundo, com todo esse amor que eu tenho por você aqui dentro. – Apontou para lado esquerdo do peito. - Mas o que quer dizer com tudo isso?
- Namora comigo?
- Sim! – Seu sorriso se alargou de orelha á orelha – é claro que sim, Meu amor.
- Eu te amo flor!

Oi Amores! Essa é a segunda parte de Kiss Me e mais uma vez quero agradecer a Marianna por colaborar com o blog. Bjos, Bye! ♥

Imagine Harry Styles | Feelings (Pedido/Hot)

em | Nenhum comentário:


Dez minutos de atraso, essa mulher ainda me mata.
Cada segundo a mais me faz pensar: "Será que ele nos descobriu?", mas lembro do quão banana ele é para enxergar um palmo abaixo de seu nariz.
Bebi mais um gole do meu vinho e olhei o relógio em meu pulso, o que eu fiz de um em um minuto desde que cheguei nesse restaurante.
Me virei para olhar a porta que estava atrás de mim e a vi passar linda como sempre, os homem presentes no lugar a olhava sem nem mesmo disfarçar recebendo o olhar repreendedor de suas companheiras.
Ela se aproximou deixando um selinho em meus lábios e se sentou a minha frente.
- Desculpe o atraso. - sorriu e pegou minha taça de vinho bebendo o conteúdo que restava dentro dela
- Algum problema com o seu namorado? - falei a palavra "namorado" fazendo uma careta que a fez ri
- Não... Mas parece que ele tirou o dia para ficar no meu pé. - revirou os olhos
- Não entendo o porquê de você não terminar com ele. - nos servi com o vinho que estava dentro de um recipiente com gelo
- Já falamos sobre isso... Não posso chegar do nada e dizer "quero terminar". Seria insensível da minha parte. - disse analisando o cardápio
- Até por que é supersensível você o deixar para passar a noite comigo. - falei com ironia
- Se isso te incomoda eu posso ir embora... - disse se levantando, mas eu segurei sua mão.
- Desculpe! - falei olhando em seus olhos e ela se sentou novamente
- Já fez o pedido? - mudou de assunto voltando a encarar o cardápio
- Eu estava esperando você chegar.
...
Depois de comer o que pedimos e beber duas garrafas completas de vinho, estamos agora em seu carro.
(Seu nome) está animada demais, talvez seja efeito do vinho.
Eu estou agora no banco de trás do carro de (Seu nome) com a mesma em meu colo beijando meu pescoço e rebolando no meu membro que já estava louco para sair de dentro da minha calça e fodê-la até gozar.
Mas infelizmente não podemos fazer o que ela quer dentro de um carro na rua mais acesa da cidade, segurei seus ombros a fazendo parar com os beijos e me encarar.
- Se você me quer, me leve para casa e me deixei usá-la... Eu sei que ele não te satisfaz com eu. - sorri vitorioso ao vê-la me encarar com luxuria
Sem dizer nenhuma palavra (Seu nome) passou no meio das cadeiras da frente praticamente esfregando sua bunda na minha cara. Antes que eu pudesse pensar em ir para a cadeira da frente ela arrancou com o carro me fazendo bater as costas nos estofado do banco de trás.
Só de ver o desespero que (Seu nome) está para transar comigo deixa claro que o namoradinho não da conta do trabalho como eu, o que me deixa satisfeito em saber que comigo ela faz com vontade e desejo.
O caminho pareceu curto quando a vi estacionar em frente a sua casa, desceu rapidamente do carro procurando a chave na bolsa para abrir a porta. Desci indo até dela e a abracei por trás colocando minha cabeça entre seu ombro e pescoço sentindo seu maravilhoso cheiro.
A porta foi aberta e entramos ainda abraçados, fechei a porta e empurrei (Seu nome) contra a mesma.
- Finalmente minha! - beijei seu pescoço colocando minha mão debaixo de sua blusa
- Ei... - Virou prensando-me contra a porta segurando meus braços ao lado da minha cabeça, o que me fez ri anasalado - Espera um pouco...
- Esperar para quê? - soltei meus braços e ela se afastou
- Apenas espere! - sorriu sexy e eu apenas bufei indo até o sofá e me sentando
Olhei ao redor observando cada pedacinho da sala, eu nunca havia estado aqui antes, (Seu nome) e eu nos encontramos sempre no meu apartamento.
Andei até a estante onde estava vários porta-retratos inclusive um de (Seu nome) e o namorado idiota que eu nem sequer sei o nome. Peguei o porta-retratos e o coloquei atrás dos outro virado para baixo.
Ouvi um barulho na escada e vi (Seu nome) com um lingerie vermelha parada no terceiro degrau da escada de cima para baixo, acredito eu que meus queimavam em brasa apenas por ver aquela cena.
- Comprei hoje para você... - deu uma volta para me provocar - O que achou? - sorriu safada
- Eu vou adorar rasgá-la!
Andei em passos largos em direção à escada e assim que pisei no primeiro degrau (Seu nome) correu para um lugar que eu não sei qual e muito menos como chegar. Assim que subi todos os degraus parei no começo do corredor e encarei todas as portas que tinha ali e eu não fazia a mínima ideia de onde daria cada uma delas.
Como eu não estava a fim de ficar parado pensando enquanto uma gostosa está em algum lugar dessa enorme casa, eu decidi abrir porta por porta.
Abri a primeira e pude ver uma estante repleta de livros com um piano bem ao centro do quarto, a segunda era uma sala de jogos, a terceira um banheiro e quando eu coloquei a mão na maçaneta da quarta porta, ouvi meu nome ser pronunciado como uma canção sexy vindo do final do corredor.
Sem nem ao menos pensar corri até a última porta do corredor e a abri vendo (Seu nome) deitada já sem sutiã, uma visão que deixaria qualquer homem maluco.
Andei até ela tentando controlar minha excitação, só tentando mesmo já que meu membro estava bem animadinho.
Ao chegar até ela, tirei minha camisa rapidamente e pulei em seus braços beijando sua boca gostosa.
(Seu nome) nos virou ficando por cima, suas mãos foram até a barra da minha calça desabotoando-a e tirando longo em seguida juntamente com a cueca. Senti um aperto em meu pênis e o gemido foi inevitável, girei-a na cama ficando agora sobre ela e desci meu rosto até seus seios e antes de abocanha-los olhei seu rosto e ela me olhava quase que implorando por algo mais prazeroso.
Distribui leves beijos em seus seios e passei a língua em seu mamilo a vendo arfar. Alguns segundos estimulando seus mamilos, meu nome já saia automaticamente de sua boca me dando ainda mais vontade de tocá-la.
Me sentei sobre suas pernas apoiando um joelho de cada lado da cama para não colocar peso. Desci minhas mãos lentamente por seu corpo até que as mesmas se encontrassem na barra de sua calcinha, com agilidade e certa presa rasguei a peça intima em duas e joguei os restos de pano no chão do quarto.
Sabendo que ela toma remédio nem me preocupei em procurar uma camisinha, a penetrei com tamanha intensidade que gemidos altos saíram simultaneamente de nossas gargantas.
Curvei meu corpo sobre o de (Seu nome) sustentando meu peso no meu braço apoiado do lado de sua cabeça. Deixei um beijo rápido em seus lábios, enquanto me concentrava em manter as estocadas rápidas e precisas.
Levei minha mão esquerda a apertar sua cintura ouvindo-a gemer coisas desconexas em meio aos meus baixos urros de prazer, sem eu esperar (Seu nome) nos virou mais uma vez começando a cavalgar sobre mim, minhas mãos foram quase que instantaneamente aos seus seios os apertando.
(Seu nome) jogou a cabeça para trás gemendo alto, denunciando estar perto do seu clímax e seus movimentos foram diminuindo aos poucos. Com minhas mãos agora em sua cintura, eu a ajudava em seus movimentos.
Senti sua entrada se contrair e então em um gemido de alívio, (Seu nome) caiu sobre mim de olhos fechados. Nos virei ficando por cima voltando a estocar e foi assim até eu me liberar dentro dela.
Deitei-me ao lado de (Seu nome) e ela se virou me encarando com um sorriso no rosto, era assim sempre que transavamos, ela me olhava e dava o seu lindo sorriso pós-sexo.
Alguns tempo nos encarando em silêncio pude ver seus olhos se fechando lentamente enquanto eu acariciava seus cabelos, minutos depois eu também me entreguei ao cansaço.
...
Acordei com os raios de sol entrando pela janela, levantei e fechei a cortina para que (Seu nome) não acordasse e voltei a me deitar ao seu lado, quando eu estava quase fechando os olhos, ouvi um barulho de porta batendo no andar de baixo.
Relutante me levantei novamente, vesti minha cueca e fui até o corredor em seguida descendo as escadas. Olhei em direção a cozinha e nada, virei para olhar a sala e havia um ser um pouco mais baixo que eu, cabelos loiros e pele clara me encarando.
- Quem é você e o que está fazendo pelado na casa da minha namorada? - então ele é o idiota...
- Sou tudo aquilo que você nunca foi para ela. - falei com um sorriso no canto dos lábios
- O que quer dizer com isso? - bufei o olhando em tédio
- Eu sou o cara que ela procurando quando quer prazer, sou também o cara que ela se abre falando o quanto é chato ter que aturar um namorado inútil, é para mim também que ela diz ser apaixonada e que cada minuto longe quase a mata de saudade. - falei apenas verdades
- Isso não pode ser verdade! - sorriu forçado
- Não pode, mas é! - dei de ombros - Agora dá o fora e não a procure mais.
- Cadê ela? Eu quero falar com ela! - tentou passar por mim e ir em direção à escada, mas eu o segurei.
- Amigo... Se manda, ela não tem nada para falar com você. - dei tapinhas em seu ombro
- Eu não sou seu amigo e meu nome é Ryan.
- Tanto faz o seu nome... Só quero que vá embora, o que você e a (Seu nome) tinham não passava de uma mentira, ela está comigo agora.
- Isso não é decisão sua! - falou alto
- Sem drama Ryan... Acabou! - ouvi a voz de (Seu nome) e a vi descendo a escada vestida a minha camisa
- Você não pode fazer isso! - deu passos em direção da minha garota e eu entrei em sua frente
- Acho que você escutou o que ela disse.
- Eu adiei esse namoro por muito tempo, já era para ter posto um fim nele desde que conheci o Harry. - falou ficando ao meu lado e eu entrelacei meus braços em sua cintura
- Você é uma idiota! - se virou com raiva indo até a porta
- Deixa a chave de casa babaca! - gritei e ele jogou a chave para mim e saiu batendo a porta
(Seu nome) suspirou em alívio e eu a apertei mais em meus braços deixando um beijo em sua têmpora.
- Me sinto mais leve. - sorriu
- Eu tenho sentimentos por você garota... – acariciei seu rosto - E agora você é minha... Só minha!


Status: Decepcionada com o Malik
Oi gente! Desculpa não ter voltado aqui aontem, eu deitei e apaguei.
Esse foi um pedido que a Sam, a linda outra Mrs. Styles, fez no outro blog a um tempão atrás. Desculpa a demora Sam, mas eu não estava consiguindo fazer a parte hot, então não ficou legal.
Volto ainda hoje, depois da escola para postar a segunda parte de Kiss Me... Bjos!

Imagine Liam Payne | Troublemaker Love

em 6 de maio de 2015 | Nenhum comentário:


SEUNOME HANSEN’S POV
- Ganhei! – falei ao colocar a carta 9 azul do jogo Uno com as outras.
- Amor... – Liam me mostrou sua +4.
- Ah. – fiz biquinho. – Eu preferiria ter perdido a ser enganada.
Ele riu e me deu um selinho rápido desfazendo meu biquinho. Peguei meu celular e observei nossa foto tirada há poucos dias. Eram 15h20. Liam ajuntava as cartas e colocava na caixa, ao terminar ele se sentou no sofá comigo ao seu lado.
- Ainda temos 40 minutos. – falei ao ligar a TV.
- Hm... Tá com fome? – perguntou.
- Um pouco. – ele assentiu e nós fomos à cozinha. Sentei-me ao balcão enquanto o via pegando alguns ingredientes, já até sabia que ele faria seu sanduíche divino. – Amor, lembra-se de quando a gente se conheceu?
- Claro, tem como esquecer? – falou de um jeito engraçado me fazendo soltar uma risada fraca.
LIAM PAYNE’S POV
Eu estava andando por perto porque iria encontrar-me com Niall que queria ajuda com uma garota que ele estava saindo há um tempo. Passei pela livraria e pensei que ele pudesse dar um livro ou CD nosso para a moça, então entrei e quando abri a porta e escutei o sininho, vi uma figura caída no chão.
- Desculpe o desastre. – falei à garota que me encarava brava. Estendi minha mão para ajudá-la e ela aceitou meio relutante. – Está tudo bem?
- Está, mas eu também não reparei em você abrindo a porta. Então os dois são culpados. – sorriu. Cara, a melhor coisa que eu adoro nas garotas, são os sorrisos, é como se ela quisesse mostrar sem palavras como se sentia bem ou feliz.
- Posso saber o nome da minha vítima? – perguntei brincalhão.
- É SeuNome Hansen e o seu?
- Liam Payne. – dei de ombros.
- Então temos uma estrela aqui? Uau, minha irmã gostaria de estar no meu lugar. – ri baixo. – Bom, Liam, me desculpe, mas eu tenho que ir. Eu fiquei de encontrar uma amiga na London Eye e não posso me atrasar.
- Eu também estou indo à London Eye, podemos ir juntos? – ela assentiu e deu outro sorriso bonito que me fez querer sorrir também.
- Liam, para de falar do meu sorriso! Ele nem se compara ao seu. – SeuNome me disse consideravelmente brava, ela odiava ficar sem graça na minha frente.
- Tudo bem, quer contar agora? – ela deu de ombros e sorriu, o que (como sempre) me deixou fascinado.
SEUNOME HANSEN’S POV
Nós andávamos em direção à London Eye que não era tão longe dali. Julie, minha amiga, me pediu para passar na livraria e comprar outro exemplar de A Culpa É Das Estrelas porque estragou o seu. Em seguida, eu a encontraria no lugar marcado para me fazer de castiçal e vela. O garoto era divertido, ele tinha 20 anos, era cantor (como eu já sabia, Anna insiste em colar pôsteres da tal banda na porta do quarto) e estava de folga passeando hoje.
- Você parece ser uma garota estudiosa, SeuNome. – ele sorriu. O que eu achei a coisa mais fofa do mundo.
- Estudiosa não, eu detesto estudar. Se você soubesse a peste qual eu sou na sala de aula, mas eu me esforço para tirar boas notas. – Nós rimos.
- Eu era estudioso na época de colégio, apenas sofri bullying mais novo.
- Você sofreu bullying? – perguntei incrédula e ele assentiu. Meu Deus, eu não sei se relatei, mas ele é lindo e não tem como este homem ter sofrido bullying na infância. – Por quê?
- Eu era um garoto gordinho. – deu de ombros.
- Não consigo te imaginar gordinho por causa disso que você chama de músculos. – rimos novamente.
Chegamos ao parque, cujo ficava London Eye, e fomos procurar nossos amigos. Liam e eu nos despedimos não nos importando se veríamo-nos novamente ou não.
- Bom, tchau, foi bom te conhecer. – sorri.
- Tchau. – ele sorriu e se aproximou para dar um beijo no meu rosto, quando...
- SEUNOME! ATÉ QUE ENFIM VOCÊ CHEGOU E... – ela parou estática quando viu meu “acompanhante”. – Você é Liam Payne, não é? – ele assentiu risonho. – Você sabe onde o Niall se enfiou? São três e meia e ele não apareceu.
- O tal Niall é seu amigo? – perguntei ao Liam e ele assentiu. – Então se você veio dar uma força ao seu amigo e eu à Ju, nós podemos continuar conversando.
Logo, eu vejo o tal irlandês que minha irmã tanto ama vindo em nossa direção. Fomos apresentados por Julie e Liam e em seguida o quase casal saiu para curtirem o dia no parque juntos.
- Não acredito que a gorda da Julie me impediu de beijar teu rosto porque o Niall não tinha chegado. – Liam disse colocando dois sanduíches o balcão e sentando-se de frente para mim.
- Por quê? – perguntei antes de morder o divino lanche e beber um pouco do meu suco.
- Porque eu iria virar e te beijar, ué. – disse como se fosse a coisa mais normal do mundo.
- Como você é tarado, Liam Payne! – o repreendi brincalhona. Ele deu de ombros e me deu um beijo rápido.
- Continua. – me incentivou ao pararmos.
Liam escutava atentamente todos os trotes que participei na escola e como minha mãe não gostava que eu tivesse esse jeito de garota-que-não-liga-para-o-que-os-outros-dizem. Havia vezes em que eu parava e perguntava se ele estava entediado, porque claro, em alguma hora ele se cansaria de me ouvir falar.
- Desde então, eu sou exclusa de brincadeira em família porque minha mãe não gosta do meu nível de brincadeira e tals. Mas eu me acostumei, passei a ignorar e isso e comecei a ser reconhecida como anti-social. Alguns dizem que eu emagreci porque me esqueço de comer e dizem que eu estou apaixonada; o que sempre me faz soltar uma risada falsa porque é difícil isso acontecer. – falei pegando mais um pedaço do meu algodão doce.
Liam sorriu e começou a se aproximar, eu não fiz nada, realmente tinha achado ele bonito e se nós ficássemos, não seria como se no outro dia o mundo soubesse que estaríamos namorando. Digo, em partes não, porque às vezes nem lembro de que ele é famoso.
Ele me beijou. Colocou uma das mãos na minha cintura, enquanto a outra acariciava a minha coxa, quanto as minhas mãos, foram as duas para sua nuca. Ao pedir passagem para aprofundar o beijo, eu cedi na hora e caramba, eu senti que não conseguia me arrepender e enquanto nossas línguas se encontravam, era como se fosse acontecer de novo.
Quando o fôlego se acabou, nós sorrimos um para o outro e ele começou a me falar normalmente a parte da vida dele qual eu não sabia.
Eu me sentia bem depois daquele beijo, não sei era como se fosse viciante ou se fosse acontecer outras vezes e aconteceu! Beijamos-nos mais três vezes, e foi quando seu amigo e Julie chegaram que nós nos despedimos e trocamos telefones.
- Quer dizer que meu beijo é viciante, SeuNome? – ele me encarou. Franzi o nariz e revirei os olhos.
- Ah, Liam, vai tomar no cu. Era o que eu pensava àquela hora, ué. Conta agora, que eu cansei. – ele riu de mim e voltou a falar.
LIAM PAYNE’S POV
Depois daquele dia com a garota problemática, eu nunca mais consegui esquecer. Recusava baladas com os garotos apenas pra passar mais uma noite no Skype conversando com ela. Minha ex me ligou outro dia, dizendo que sentia saudades, mas eu não sentia. Queria experimentar aquele beijo de novo.
O quinto encontro entre SeuNome e eu, foi quando eu a convidei para almoçar comigo, no meu apartamento mesmo. Sabia que a garota era humilde e não gostava de extravagâncias. Já estávamos saindo há dois meses e eu queria saber que rumo ela queria dali para frente e mesmo que ficássemos toda vez que nos encontrávamos, eu não queria ficar só por isso.
Ela bateu na porta de casa e eu abri. Estava diferente dessa vez, o eu me fez pensar que tinha influência de Julie em seu traje. Usava uma calça com uma bota curta de salto preta e uma de suas camisas de desenhos animados com uma jaqueta de couro preta por cima. A garota sorriu e me cumprimentou com um beijo no rosto, me fazendo sentir o seu ótimo perfume de sempre.
- O que o chefe Payne cozinhou para almoçarmos? – perguntou brincalhona.
- Na verdade... Não digo que sei cozinhar, porque é verdade. Mas eu pedi uma lasanha para nós dois. Já chegou, é só sentarmos à mesa e comer. SeuNome assentiu e nos dirigimos até a cozinha, enfim.
Ainda não sabia como dizer que queria saber se ela estava disposta a tomar um novo rumo para o caso não denominado que nós tínhamos, mas eu pensaria neste meio tempo.
Era domingo e ela me contava sobre a semana na escola e sobre a festa que teve com a família na semana. Dizem que homem fica quieto para deixar a mulher falar enquanto pode e depois levá-la para cama, no meu caso, é diferente. Eu deixava SeuNome falar por gostar da calma que a voz dela trazia.
- Liam, você me parece nervoso com algo nem venha mentir porque te conheço muito bem. – suspirei depois da frase dela. Era agora ou nunca que eu contaria.
- Bom, SeuNome, é que... A gente já fica algum tempo, você tem atitudes tão fascinantes que acho que nem eu faria. Vou ser bem direto porque odeio enrolar. Eu quero saber até onde nós vamos continuar com essa amizade colorida, porque eu... Eu gosto mesmo de você e tô ficando cansado de isso ser só um rolo. – desabafei bem rápido que depois me dei conta das palavras ditas.
- Eu só estava esperando sua opinião disso tudo, Liam. – sorriu e bebeu um gole de sua taça de vinho. A mãe dessa menina acha que eu a levei ao mau caminho, oh moça, ela já era meio assim quando conheci.
- De um modo menos formal, porque sei que você não é assim, quando nós vamos poder assumir isso?
- Eu preferiria um pedido de namoro mais formal. – sorriu irônica.
- Tudo bem. – o que essa menina não pede sorrindo que eu não faço chorando? – SeuNome Hansen, você aceita namorar comigo?
Nós rimos pela tamanha formalidade, eu era um cara formal, menos com ela.
- É claro que eu aceito Liam, mesmo que você pedisse mil vezes.
E nós nos beijamos outra incansável vez. Foi bem real, sabe, agora os éramos reais e mesmo que tivesse um bloqueio de sua família para nossa “amizade”, eu não ligava. Queria ser tudo o que ela sempre precisou e bem... Eu seria felizmente.
- Nossa não sabia que nossa amizade colorida incomodava. – ela disse rindo.
- Não digo que incomodava, é que você é tão diferente das garotas eu estava acostumado, que acabei sentindo necessidade de perguntar para onde ir. Vai que você dissesse que queria ficar só na amizade. – dei de ombros.
- Sabe o que eu reparei? – perguntou. – O ato de você dar de ombros, me faz querer fazer isso quando tô brava com a minha mãe e ela fica “SeuNome, tudo culpa daquele garoto, você não era assim”.
- Digamos que eu te coloquei no caminho certo. – soltei um sorriso bobo.
Caminho certo? Você? Tem certeza, Liam? Amor, de santo você só tem a cara, por que você não é NADINHA santo. – olhei no relógio do micro-ondas e faltavam cinco para as quatro.
- Nossa vai ficar sem beijo. – falei pegando a chave do carro. SeuNome veio atrás com sua mochila.
- Deixa, quem vai pedir é você. – deu de ombros. E ela estava completamente certa, era a única que sabia me domar em todos os sentidos, SeuNome é a única que me enlouquece e me faz perder a sanidade.
Eu, enfim, fui deixá-la em casa. Digamos que nem sempre o Sr. e a Sra. Hansen aceitaram nosso namoro. E tudo isso por causa de uma garota problemática.

Esse Imagine é da Nicole Oliveira, também uma das inscritas para ser adm. Obrigado amore, pela colaboração... Hoje ainda tem mais! Bjos!